Vestager: “Queremos um acordo global” para taxar big tech

Vice-presidente eleita da Comissão Europeia lembrou que a OCDE está prestes a fechar um acordo no que diz respeito a impostos às tecnológicas e está confiante que a UE irá seguir-se já no próximo ano.

Impostos às gigantes tecnológicas a nível global são uma prioridade para Margrethe Vestager. A partir do Web Summit, a vice-presidente eleita da Comissão Europeia lembrou que implementar mudanças fiscais é um processo demorado, mas que, no caso dos impostos digitais, a União Europeia (UE) tem sido rápida a agir.

Gostaria de ver, não um acordo europeu, mas um acordo global“, disse Vestager, em conferência de imprensa, quando questionada sobre novos impostos às gigantes tecnológicas. “Normalmente não há razões para estar otimista quanto a impostos porque são processos muitas vezes muito lentos e difíceis de implementar. Mas, no que diz respeito a taxas digitais, tem sido rápido e bastante ambicioso”, afirmou, apontando para as ações levadas a cabo pelo Banco Central Europeu (BCE).

Vestager deu força à ideia defendida por António Costa. O primeiro-ministro defendeu, esta quarta-feira também no Web Summit, que a taxação de gigantes tecnológicas compense o buraco deixado no orçamento europeu pela saída do Reino Unido.

A OCDE está a desenvolver uma iniciativa própria que poderá ser um primeiro passo para uma taxação a nível global, segundo acreditam Costa e Vestager. “Neste momento, há uma consulta pública” que a vice-presidente espera que “possa dar suporte suficiente para que as duas abordagens sejam detalhas e para que possa haver acordos ao nível da OCDE no próximo ano”.

“Se não houver, a Comissão Europeia vai emitir um trabalho que possibilite um esquema fiscal europeu alargado, também a empresas digitais, porque não faz qualquer sentido que a maior parte das empresas paguem os seus impostos e que algumas, dependendo da sua tipologia, não paguem”, sublinhou.

Há “profundas preocupações” europeias sobre a Libra

A Comissão Europeia tem apertado o cerco a gigantes tecnológicas, como Google, Amazon, Apple, Facebook ou Microsoft, e não deverá ficar-se pelos impostos. “É correto dizer que temos uma série de investigações em curso”, disse a comissária europeia, que era, no anterior mandato, responsável pela concorrência. Bruxelas está atualmente a investigar a Amazon, a Apple e a Google por suspeitas de concorrência desleal.

Mais recentemente, está também a escrutinar o Facebook, devido ao projeto da criação de criptomoeda estável. “A Libra é um caso especial porque ainda não existiu. É um esforço de toda a comissão”, explicou Vestager, clarificando que não só a concorrência, a estabilidade financeira, a lavagem de dinheiro ou o financiamento a terrorismo são questões que estão a ser analisadas.

Temos profundas preocupações em relação aos efeitos da Libra, se alguma vez vier a ter efeito“, acrescentou. O Facebook tenciona lançar o produto até ao final do primeiro semestre de 2020, mas tem vindo a reiterar que a Libra só vai ver a luz do dia quando todas as dúvidas das autoridades estiverem esclarecidas.

As criptomoedas não são a única inovação tecnológica na mira de Vestager. Também a denominação de tecnológicas como a Uber ou a Airbnb poderá vir a alterar-se dado que estas plataformas competem diretamente com prestadores de serviços tradicionais. O mesmo poderá aplicar-se às fintech em relação às diferenças de regulação face aos bancos. “As pessoas são mais bem-vindas a fazerem negócio na Europa, mas tem de ser em condições equitativas”, defendeu Vestager. “A tecnologia pode ser nova, mas os nossos valores não são”, acrescentou.

(Notícia atualizada às 15h10)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vestager: “Queremos um acordo global” para taxar big tech

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião