Recuperação de Portugal após assistência é “história de sucesso”

  • Lusa
  • 12 Novembro 2019

O diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade considera que recuperação da situação económica de Portugal é uma “história de sucesso”.

O diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade considerou esta terça-feira que a recuperação da situação económica de Portugal é uma “história de sucesso”, embora reconheça que, aquando do programa de assistência, os portugueses “não tenham ficado felizes” com as medidas.

“Portugal é, claramente, uma história de sucesso. É uma das nossas cinco histórias de sucesso, juntamente com Irlanda, Espanha, Grécia e Chipre”, afirmou o diretor do ESM (sigla em inglês de European Stability Mechanism).

Respondendo a uma questão da agência Lusa num encontro com jornalistas correspondentes em Bruxelas na sede do ESM, no Luxemburgo, Klaus Regling recordou que Portugal “foi capaz de sair do programa [de assistência] três anos depois do início”.

“Alguns anos depois, são notórios os efeitos positivos das reformas implementadas”, realçou o responsável na resposta dada à Lusa, frisando que “Portugal tem hoje, pela primeira vez em 50 anos, um orçamento equilibrado e um elevado crescimento, acima da média da zona euro”.

“E continua a baixar os níveis de desemprego, que estão agora abaixo dos registados antes da crise”, assinalou.

De acordo com Klaus Regling, “o problema foi que os resultados não surgiram logo”.

“O ritmo [de crescimento económico] foi lento durante o programa e a população, por vezes, não gostava das medidas implementadas, o que é normal porque, por vezes, estes ajustamentos são dolorosos por incluírem uma redução dos salários e cortes nas pensões. Também abrangem reformas estruturais e, quando isso acontece, normalmente as pessoas não ficam muito felizes”, reconheceu o diretor do ESM.

Portugal esteve, entre 2011 e 2014, sob assistência financeira no âmbito de um programa de ajustamento macroeconómico.

Apesar de reconhecer a situação “muito positiva” da economia portuguesa, Klaus Regling destacou que “uma área em que existe trabalho por fazer é a dos NPLs (non-performing loans, o crédito malparado)”.

“Em Portugal, os NPLs estão acima da média europeia, mas ainda assim muito abaixo de há alguns anos”, indicou.

E concluiu: “Têm vindo a descer ano após ano […] e, por isso, estou confiante que isso continuará a acontecer”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Recuperação de Portugal após assistência é “história de sucesso”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião