Disney sobe quase 8% e impulsiona Dow Jones. S&P 500 e Nasdaq perto da linha de água

O dia foi misto em Wall Street, com o Dow Jones a registar máximos, com a ajuda da Disney, e os restantes índices de referência próximos da linha de água.

Vários fatores influenciaram as negociações em Wall Street nesta sessão, fazendo com que os principais índices de referência tivessem desempenhos mistos. As incertezas em relação aos avanços das negociações comerciais entre os EUA e a China desanimaram os investidores, mas perspetivas otimistas da Fed e o desempenho da Disney impulsionaram os índices.

O presidente da Reserva Federal, Jerome Powell, disse que os banqueiros centrais dos Estados Unidos veem uma “expansão sustentada” da economia do país, e que enquanto tal se verificasse, as taxas de juros iriam ficar inalteradas. Depois do discurso do líder da Fed, os mercados reagiram positivamente.

No entanto, uma notícia do Wall Street Journal que dava conta de um impasse nas negociações comerciais com a China acabou por travar o sentimento positivo sentido nos mercados. O S&P 500 acabou por fechar a sessão pouco acima da linha de água, ao avançar 0,07% para os 3.093,97 pontos.

O industrial Dow Jones ficou também em “terreno” verde, mas teve uma valorização mais expressiva, somando 0,33% para os 27.783,59 pontos e registando um novo máximo. O desempenho deste índice foi principalmente impulsionado pela Disney, que disparou 7,32% para os 148,72 dólares, depois de anunciar que o novo serviço de streaming, Disney +, alcançou 10 milhões de inscrições desde o lançamento nesta terça-feira.

Já o tecnológico Nasdaq não resistiu e recuou 0,05% para os 8.428,10 pontos. Entre as cotadas que registaram perdas, destaque para a Netflix, que é agora rival direta da Disney. Os títulos da plataforma de streaming desvalorizaram 3,05% para os 283,11 dólares nesta sessão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Disney sobe quase 8% e impulsiona Dow Jones. S&P 500 e Nasdaq perto da linha de água

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião