Google pretende começar oferecer contas correntes a partir de 2020

  • Lusa
  • 13 Novembro 2019

O projeto da Google para oferecer contas correntes será concretizado em colaboração com o banco Citigroup e com uma cooperativa de crédito da universidade californiana de Stanford.

A Google tem previsto começar a oferecer no próximo ano contas correntes, o que se traduz em mais um passo na aposta dos gigantes tecnológicos nos serviços bancários e financeiros.

O projeto, batizado de Cache, será concretizado em colaboração com o banco Citigroup e com uma cooperativa de crédito da universidade californiana de Stanford, noticiou esta quarta-feira o The Wall Street Journal.

A Google junta-se assim a outras grandes empresas de Silicon Valley que estão a desenvolver serviços de âmbito financeiro, mas até agora sem grande êxito. A tecnológica Apple, por exemplo, apresentou no passado verão um cartão de crédito, enquanto o Facebook está a trabalhar numa moeda digital (criptomoeda), o que tem estado na mira dos reguladores.

Para a Google, que já conta com um sistema de pagamentos conhecido como Google Pay, as contas correntes oferecem acesso a uma enorme quantidade de informação, incluindo as receitas e gastos dos clientes, refere The Wall Street Journal.

O executivo Caesar Sengupta disse ao diário que a empresa não pretende vender dados financeiros, algo que também não faz com o Google Pay, a aplicação através da qual os utilizadores acedem às suas contas correntes.

De acordo com as estimativas, o Google Pay está à beira de atingir os 100 milhões de utilizadores a nível mundial em 2020, uma forte subida face aos 39 milhões que tinha em 2018.

Para o Citigroup, no entanto, a aliança com a Google permite a possibilidade de aumentar a sua carteira de clientes além dos mercados onde tem presença física, segundo disse ao jornal um responsável da entidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google pretende começar oferecer contas correntes a partir de 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião