Marcelo pede para se honrar mandato de Draghi com reforço da União Europeia

  • Lusa
  • 13 Novembro 2019

O Chefe de Estado lembra que o objetivo da UE é "assegurar que o desenvolvimento coeso e harmonioso do espaço europeu" e, desta forma, honrar o "inestimável legado de Mario Draghi à frente do BCE".

O Presidente da República apelou esta terça-feira à defesa e aprofundamento do projeto europeu, desde logo, com a conclusão da União Económica e Monetária, para honrar o mandato de Mario Draghi à frente do Banco Central Europeu (BCE).

Marcelo Rebelo de Sousa falava num jantar oficial no Palácio do Quirinal, em Roma, oferecido pelo seu homólogo italiano, Sergio Mattarella, fechado à comunicação social, inserido na sua visita de Estado a Itália.

Na sua intervenção escrita, a que a agência Lusa teve acesso, o chefe de Estado considerou que se vive um tempo de “dúvidas, inquietações e convulsões”, com “nacionalismos extremistas e populismos demagógicos”, em que o “projeto de paz, desenvolvimento e coesão” europeu ganha ainda mais importância.

Segundo o Presidente da República, há que “assegurar que o desenvolvimento coeso e harmonioso do espaço europeu continuará a ser um objetivo primordial da União, completando o que importa completar, nomeadamente na União Económica e Monetária, e assim honrando o inestimável legado de Mario Draghi à frente do BCE“.

O economista italiano Mario Draghi foi presidente do BCE entre 2011 e o final do mês passado. Enquanto exerceu essas funções, Marcelo Rebelo de Sousa convidou-o a participar numa reunião do Conselho de Estado, para falar sobre a situação económica e financeira europeia, em abril de 2016, e condecorou-o com o Grande-Colar da Ordem do Infante D. Henrique, em junho deste ano.

No discurso que fez neste jantar oficial, o chefe de Estado abordou novamente a questão das migrações, salientando “a solidariedade que Portugal se orgulha de ter assumido perante os fluxos migratórios com que a Itália se tem confrontado” e agradeceu o apoio da República Italiana “após os terríveis incêndios que assolaram Portugal em 2017”.

No seu entender, é preciso manter a “procura de soluções justas e solidárias” e garantir “um diálogo constante sobre os desafios geoestratégicos que exigem uma resposta coordenada – da situação do Mediterrâneo aos conflitos comerciais“.

“Em todos estes domínios Portugal sabe que pode contar com a Itália, como a Itália está certa de que pode contar com Portugal. Na defesa do comércio livre e justo. Na salvaguarda do multilateralismo e das Nações Unidas. Na permanente valorização da unidade europeia”, afirmou.

Em tom de advertência, acrescentou: “Fazemo-lo por convicção e porque conhecemos bem o preço do isolamento, do fechamento sobre si próprio, da recusa do diálogo. Como conhecemos o custo do protecionismo e da ‘não Europa'”.

No final da sua intervenção, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a assinalar “a feliz coincidência de Portugal e Itália celebrarem ambos o 25 de Abril como um dia de liberdade, de fraternidade e de futuro” e mostrou-se certo de que esses “três signos” continuarão “a guiar a Europa e o mundo”.

O chefe de Estado propôs um brinde “à saúde e felicidade do Presidente Sergio Mattarella e ao progresso e prosperidade de todos os italianos”, expressando “profundo reconhecimento” ao seu homólogo “pelo que tem feito em prol das relações luso-italianas e do projeto europeu”.

Marcelo Rebelo de Sousa chegou a Itália na segunda-feira, para uma visita de Estado que termina na quarta-feira, em Bolonha, em que está acompanhado pela secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, e pelos deputados à Assembleia da República Jorge Lacão, do PS, Adão Silva, do PSD, e Bruno Dias, do PCP.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo pede para se honrar mandato de Draghi com reforço da União Europeia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião