Riscos para economia estão a diminuir “pouco a pouco”, afirma o bastonário dos economistas

  • Lusa
  • 14 Novembro 2019

O bastonário da Ordem dos Economistas admite que se vivem tempos difíceis" com uma "conjuntura muito adversa, difícil e cheia de perigos", mas considera que os riscos para a recessão estão a diminuir.

O bastonário da Ordem dos Economistas considerou esta quinta-feira que se estão a “viver tempos difíceis” e que os riscos para a economia, que podem contribuir para uma recessão económica, estão diminuir “pouco a pouco”.

Estamos a viver anos difíceis. Vivemos uma conjuntura muito adversa, difícil e sobretudo cheia de perigos em todo o lado”, disse Rui Leão Martinho na conferência O Futuro dos Mercados Financeiros, organizada em Lisboa pelo Jornal de Negócios e o Banco Carregosa.

Contudo, disse, “os riscos que há, passo a passo, pouco a pouco, vão sendo minimizados”, referindo-se à guerra comercial entre os Estados Unidos e a China e ao Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia), entre outros.

O bastonário da Ordem dos Economistas considerou ainda que a política monetária vai lentamente “descolar-se desta situação mais acomodada”.

Rui Alpalhão, do departamento de finanças ISCTE-IUL Business School, disse estar menos otimista, mas considerou que “nos últimos meses resolveu-se alguma coisa”, pelo que concordou que a perspetiva sobre a economia melhorou ligeiramente.

Num outro painel desta conferência, especialistas consideraram que nos últimos anos houve a entrada em força da política nos movimentos da economia e dos mercados financeiros.

Daniel Bessa disse que durante anos estudou a economia mas que agora se sente menos confortável: “Entra-se num domínio em que se observam fatores políticos, de que de facto sei muito pouco”, afirmou, considerando que perante essas incertezas políticas os empresáriosretraem o investimento, numa atitude defensiva”.

Filipe Vasconcelos Romão e Vítor Ramon Fernandes, professores universitários de relações internacionais, afirmaram ambos que estranharam o convite para participar numa conferência sobre economia e mercados mas que concordam com a relação cada vez mais evidente e estreita entre economia e política.

“A economia está a desacelerar, efeito também da guerra comercial, mas não há a garantia [tendo em conta os indicadores económicos] de uma recessão”, apesar dos riscos que persistem, afirmou ainda Ramón Fernandes.

Segundo Rina Guerra, que trabalha em gestão de ativos no Banco Carregosa, o “mercado está a descontar alguma dose de pessimismo para 2020, mas não assim tanto”, havendo a expectativa de que a Europa escapará à recessão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Riscos para economia estão a diminuir “pouco a pouco”, afirma o bastonário dos economistas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião