Singles’ Day. 5 curiosidades sobre o maior dia de compras do ano

No Dia dos Solteiros - a Black Friday chinesa - a Alibaba gerou os primeiros mil milhões de dólares em vendas ao fim de... um minuto e oito segundos. Conheça outras curiosidades do fenómeno.

A campanha do Dia dos Solteiros voltou a ter direito a um evento especial em Xangai, onde atuou a artista pop Taylor Swift.EPA/NIU JING CHINA OUT

A segunda-feira de 11 de novembro foi mais uma vez marcada pelas campanhas de descontos em muitas das lojas mais populares do país, um fenómeno criado pelos chineses do AliExpress para assinalar o Dia dos Solteiros (Singles’ Day). Foi a 11.ª vez que se “celebrou” este feriado não oficial em todo o mundo, que rapidamente se tornou no dia com maior volume de compras enquanto não chega a Black Friday, que se assinala no próximo dia 29.

Milhões de pessoas em todo o mundo aproveitaram a loucura das promoções para arrebatarem produtos, desde smartwatches a televisões, passando por pequenos acessórios, na esmagadora maioria dos casos importados da China. Mas, para entender a real dimensão que o Dia dos Solteiros já ganhou no setor do comércio eletrónico mundial, eis algumas curiosidades:

  • O grupo Alibaba, que detém o AliExpress, organiza sempre um evento para dar o tiro de partida ao Dia dos Solteiros. Este ano, contou com uma atuação exclusiva da artista norte-americana Taylor Swift, em Xangai (China).
  • Vários tambores foram instalados um pouco por toda a sede da Alibaba na cidade chinesa de Hangzhou. A ideia era os trabalhadores tocarem nos tambores sempre que uma meta de vendas fosse atingida. Na segunda-feira, os tambores não pararam de tocar durante todo o dia, segundo o WSJ (acesso pago).
  • Um minuto e oito segundos depois do início do Dia dos Solteiros, a campanha já tinha gerado vendas brutas de mil milhões de dólares, de acordo com a Forbes. Numa hora, este indicador alcançou os 12 mil milhões. Em 18 horas e 31 minutos, o número de encomendas ultrapassou o recorde de 1,042 mil milhões atingidos no ano passado.
  • Durante as 24 horas em que decorreu a promoção no AliExpress, a Alibaba obteve vendas recorde de 38,4 mil milhões de dólares, um crescimento de 26% face aos 30,8 mil milhões registados no Dia dos Solteiros de 2018. É metade das vendas líquidas da Amazon no último trimestre.
  • Apesar da guerra comercial entre EUA e China, os norte-americanos foram os segundos que mais compras fizeram na AliExpress no Dia dos Solteiros. A categoria de produtos mais populares foi a joalharia e outros acessórios.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Singles’ Day. 5 curiosidades sobre o maior dia de compras do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião