Uma dose de wagyu por 100 euros. E com uma folha de ouro?

Churrasqueira Portuguesa da Maia tem a carne mais cara do mundo, a carne japonesa wagyu. Pode optar também pelo Golden Steak, um bife wagyu envolvido em folha de ouro de 24 quilates, custa 300 euros.

A Churrasqueira Portuguesa da Maia Steakhouse localiza-se no norte do país e é um oásis para os amantes de carne. Trabalham essencialmente com a vertente da carne matura e carnes de qualidade superior. Têm 44 variedades de carne oriunda de 17 países, entre eles, EUA, Japão, Austrália, Argentina, Paraguai, Espanha, Alemanha, entre outros.

O restaurante tem a particularidade de servir a melhor e mais cara carne do mundo, a carne japonesa wagyu. António Sequeira, proprietário e chefe de cozinha Churrasqueira Portuguesa da Maia Steakhouse, explica ao ECO que uma dose de wagyu A5, para duas pessoas, ronda os 100 euros.

O restaurante, que já conta com 20 anos de existência, mas tem como premissa estar “mais à frente das tendências”, aderiu este ano à arte de embelezar a comida através de um toque mais requintado e dispendioso.

O espaço tem disponível o Golden Steak, que é um bife wagyu oriundo da Austrália, de carne de qualidade superior não maturada, envolvido numa folha de ouro de 24 quilates. Este bife é suficiente para alimentar duas pessoas e custa 300 euros. O bife é grelhado na hora ao gosto do cliente e a folha de ouro é comestível, explica António Sequeira.

“A wagyu é considerada a carne mais carne do mundo, mas não é maturada”, diz o proprietário da Steakhouse, “Nós temos carnes maturadas que podem custar 900 euros o quilo”, acrescenta.

A “roxa d´ouro” foi considerada, este ano, a melhor carne maturada do mundo e é, sem dúvida, o produto premium da casa. “É a carne com mais procura”, destaca com orgulho o proprietário do restaurante na Maia. Esta carne está em maturação no mínimo 40 dias e o preço médio de uma rocha de ouro ronda os 92 euros para duas pessoas.

Para além de ter carnes de todos os cantos do mundo, a carne nacional também está representada e o restaurante disponibiliza quatro qualidades de carne portuguesa: a mirandesa, barrosã, arouquesa e a maronesa. Acrescenta que recorrem ao país vizinho tendo em conta que “os espanhóis estão muito bem posicionados no mercado das carnes maturadas. Em maturação de carne e presunto os espanhóis são campeões”, refere.

A wagyu é considera a carne mais carne do mundo, mas não é maturada. Nós temos carnes maturadas que podem custar 900 euros o quilo.

António Sequeira

Proprietário e chefe de cozinha Churrasqueira Portuguesa da Maia Steakhouse

Explica ao ECO que no restaurante a carne maturada não está embalada em vácuo, mas sim em seco, uma vez que “a maturação a seco não usa químicos e é um processo completamente natural, ao contrário do vácuo”.

António Sequeira proprietário e chefe de cozinha Churrasqueira Portuguesa da Maia Steakhouse já está ligado à arte de cozinhar há mais de 30 anos. Refere com orgulho que aos “18 anos já tinha a carteira profissional de cozinheiro de primeira”.

Para além do oásis da carne o restaurante disponibiliza vários pratos de peixe com uma particularidade. O restaurante tem um barco próprio com um alcance de 70 milhas que chega até alto mar e tem como missão pescar algum do peixe que é usado no restaurante. Algum desse peixe entra, depois, na ementa de sushi.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uma dose de wagyu por 100 euros. E com uma folha de ouro?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião