5G já é mais popular do que o 4G em Portugal

Os portugueses já pesquisam mais por 5G do que 4G no Google. A inversão deu-se em outubro, segundo dados do Google Trends, consultados pelo ECO.

Os portugueses já se interessam mais pelo 5G do que pelo 4G. Este é um sinal de que a tecnologia continua a ganhar popularidade no país, à medida que as operadoras e o Estado se preparam para a nova geração de rede de comunicações.

Dados do Google Trends, consultados pelo ECO, mostram que a inversão na popularidade das duas tecnologias deu-se no mês de outubro, altura em que o motor de busca passou a registar mais pesquisas por 5G do que por 4G em Portugal. Este fenómeno fica evidente ao analisar os dados dos últimos cinco anos, como mostra o gráfico acima.

O gráfico permite medir o pulso ao interesse dos utilizadores do motor de busca em determinados termos ou assuntos. Não mostra a quantidade exata de pesquisas, mas o interesse em cada um dos dois termos. E o 5G já ganha.

Esta informação pública permite também saber quais as regiões de Portugal em que mais se pesquisa por 5G no Google. Analisando por cidade, Lisboa e Porto é onde há mais interesse, também por serem as cidades do país com o maior número de pessoas. Mas olhando para as sub-regiões, o cenário é diferente: o pódio é ocupado, respetivamente, pelos distritos de Évora, Aveiro e pela Madeira, seguidos de Setúbal e Castelo Branco.

Entre os principais termos pesquisados está “tecnologia 5G” e “o que é o 5G”. Este é um indício de que, apesar da popularidade do 5G, muitos portugueses ainda não sabem exatamente o que significa e qual o impacto desta tecnologia nas suas vidas.

O país caminha em direção à quinta geração de rede de comunicações, sendo intenção da Comissão Europeia que haja, pelo menos, uma cidade com cobertura 5G em cada Estado-membro da União Europeia em 2020. Gradualmente, espera-se que o 5G substitua o 4G e que permita velocidades de acesso à internet muito mais rápidas do que as atuais, bem como um número sobejamente maior de dispositivos conectados.

Em Portugal, a Anacom pretende começar a leiloar as licenças a partir de abril de 2020, de forma a permitir que as operadoras lancem o 5G em Portugal. Contudo, o processo está a causa polémica, devido a desentendimentos entre o regulador e as empresas de telecomunicações.

As aplicações do 5G são diversas e estendem-se da medicina à arquitetura e ao entretenimento. Espera-se ainda que seja ainda um desbloqueador da nova era da indústria, com máquinas de alta precisão automáticas ou controladas remotamente, por exemplo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5G já é mais popular do que o 4G em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião