“Europa não pode deixar que sejam EUA e China a tomar as decisões”, diz Trichet

  • Lusa
  • 17 Novembro 2019

"Somos a economia aberta mais importante do ponto de vista do comércio global (...) e devemos defender ferozmente o nosso interesse", disse o ex-presidente do BCE.

O antigo presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, considera que a Europa deve defender “ferozmente” os seus interesses no comércio global e não pode deixar que as decisões sejam tomadas apenas pelos Estados Unidos e China.

Não podemos deixar que as decisões sejam tomadas pelos Estados Unidos e pela China sozinhos. Somos a economia aberta mais importante do ponto de vista do comércio global, somos o mercado mais importante do mundo no que diz respeito ao comércio global, e devemos defender ferozmente o nosso interesse”, afirmou o antigo presidente do BCE, em entrevista à Lusa.

Questionado sobre como pode uma economia como a portuguesa, muito aberta ao exterior, proteger-se de riscos internacionais, o economista francês disse que é importante “ser flexível” e parte de um “conjunto mais amplo e coeso de países e economias”, frisando que Portugal é uma pequena economia, mas integrada na zona euro.

Trichet disse ainda que se trata, na verdade, de um problema da União Europeia (UE) no seu conjunto. “A UE no seu conjunto e a zona euro são mais abertas ao comércio internacional do que os Estados Unidos da América. Posso até dizer que somos duas vezes mais abertos ao comércio internacional em termos de volume de exportações e importações tendo em conta o PIB”.

Trichet acrescentou que a UE está também duas vezes mais integrada nas cadeias globais de valor que os Estados Unidos, o que faz com que o protecionismo norte-americano contra a China, mas também contra a Europa, “constitua um perigo muito importante” para os europeus. “Porque somos duas vezes mais vulneráveis que os Estados Unidos a uma diminuição do comércio global, a uma diminuição das nossas exportações”, salientou.

Questionado sobre o Brexit, Trichet manifestou-se convicto de que “foi um erro”. “Não é do interesse do Reino Unido e creio que também não é do interesse da Europa”, afirmou, admitindo que alguns franceses pensam que, uma vez que o Reino Unido não embarcou verdadeiramente no processo de integração da UE, não partilhando totalmente a visão histórica de longo prazo, talvez fosse melhor sair.

Contudo, o antigo presidente do BCE frisou não pensar dessa forma e considerou ser “realmente uma pena” a saída do Reino Unido da UE, com impacto na “influência da Europa como um todo e também na sua capacidade de ser uma voz forte no cenário global”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Europa não pode deixar que sejam EUA e China a tomar as decisões”, diz Trichet

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião