Escritórios flexíveis podem gerar lucro de 230 mil milhões às economias locais

Os escritórios flexíveis localizam-se, cada vez mais, fora das grandes cidades, algo que pode contribuir em mais de 230 mil milhões de euros para a transformação das economias locais a nível global.

Os escritórios flexíveis localizam-se, cada vez mais, fora das localidades metropolitanas, algo que está a contribuir para a transformação das economias locais a nível global.

Fugindo dos grandes centros, as empresas procuram agora criar empregos em cidades secundárias e áreas suburbanas. Assim, ao apostarem noutras zonas geográficas, as organizações estão, neste momento, a apostar na economia local, podendo gerar 25 milhões de euros em Valor Acrescentado Bruto (VAB) para a sua região circundante.

Esta crescente migração de espaços de trabalho para áreas fora das grandes cidades está a criar uma “economia flexível”, contribuindo com mais de 230 mil milhões de euros para as economias locais na próxima década, constata a primeira análise socioeconómica sobre os espaços de trabalho de segunda cidade e subúrbios pedida pela Regus (pioneira no fornecimento dos espaços de trabalho flexíveis). O estudo, que analisou 19 países em todo o mundo, revelou ainda que, em média, são criados 121 novos empregos em comunidades que contêm um espaço de trabalho flexível e cerca de 8,72 milhões de euros vão diretamente para a economia local.

Com o objetivo de melhorar o bem-estar dos funcionários (permitindo que trabalhem mais perto de casa), de diminuir custos e aumentar a produtividade, a implementação de políticas de trabalho flexíveis, por parte das organizações, e que optam por não depender de uma sede, está a alavancar o aumento de trabalho local ao colocar os profissionais a trabalhar fora dos grandes centros e em espaços de trabalho flexíveis.

Um espaço de trabalho flexível individual ou um centro de coworking num local suburbano pode beneficiar a economia local de várias formas, desde criar empregos dentro e fora do centro, estimular empresas e serviços na área próxima, melhorar a produtividade e abrir novas oportunidades de trabalho para quem vive nessas localidades.

“Quando as pessoas se deslocam para as grandes cidades, as carteiras também se deslocam com elas. Trabalhar localmente mantém esse poder de compra mais perto de casa”, esclarece explica Mark Dixon, CEO da IWG (empresa detentora da Regus), em comunicado. O responsável acrescenta que também as empresas reconhecem os benefícios dos espaços mais flexíveis. “As empresas de maior dimensão estão a optar por um modelo imobiliário ‘hub and spoke’. Ao mesmo tempo, as empresas mais pequenas querem agrupar-se e colaborar, pelo que escolhem espaços de trabalho flexíveis para se aproximarem de outras empresas”.

Economias locais e trabalhadores

Para além da criação direta de emprego, os espaços de trabalho flexíveis beneficiam a economia local através de um aumento do Valor Acrescentado Bruto (VAB), a medida do valor dos bens e serviços produzidos numa área. Segundo os dados obtidos pela Regus, um espaço de trabalho flexível médio irá gerar 16,47 milhões de euros por ano, dos quais 9,63 milhões irão diretamente para a economia local (tendo em conta também as perspetivas de ganho para os residentes e empresas dentro do centro que farão mais negócios localmente). Os EUA criaram o maior VAB de um centro individual, contribuindo com 18,88 milhões de euros para a área local, e isso deveu-se, em grande parte, às diferentes economias de custos e ganhos de produtividade entre os países.

Além do impacto financeiro direto, o espaço de escritórios locais virá beneficiar não só as regiões como os trabalhadores podendo ajudá-los a poupar 7.416 horas de deslocações por ano. Algo que, segundo este estudo, também trará benefícios a nível da saúde pois, um trajeto mais curto, reduz os níveis de stress, aumentando, por sua vez, o bem-estar mental dos funcionários.

À medida que os mercados de trabalho se tornam mais rigorosos, os espaços de trabalho locais flexíveis também podem abrir novas vias para os grandes talentos. Este tipo de espaços tem uma vantagem social adicional, fornecendo oportunidades de trabalho a cidadãos que, de outra forma, poderiam ser incapazes de viajar para um escritório. Isto pode incluir pessoas com deficiência e pessoas com necessidades de cuidados especiais.

Os próximos 10 anos

Para além de avaliar o impacto dos centros individuais, a Regus também analisou o potencial estimado de cada mercado para acolher uma carteira nacional mais vasta de espaços de trabalho flexíveis locais. Desta forma, preveem-se potenciais mudanças ao longo da próxima década, refletindo as tendências calculadas em termos de demografia da força de trabalho, mudanças tecnológicas e mudanças nas práticas empresariais.

Caso se mantenham as atuais tendências para o trabalho flexível regional, estas comunidades poderão ver mais de três milhões de postos de trabalho criados até 2029. Tal equivale a uma cidade do tamanho de Buenos Aires sendo que podem ser adicionados às economias locais 230 mil milhões em VAB, o suficiente para construir 360 hospitais de última geração.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Escritórios flexíveis podem gerar lucro de 230 mil milhões às economias locais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião