Contas externas voltam a ser positivas no terceiro trimestre. Saldo foi de 0,4%

A balança externa registou um excedente de 0,4% no terceiro trimestre, depois de em agosto ter entrado pela primeira vez em terreno positivo. Este saldo vale apenas um quinto do registado há um ano.

As contas externas, medidas pelo saldo das balanças corrente e de capital, apresentaram um saldo positivo de 0,4% do PIB no terceiro trimestre do ano, revelou esta quarta-feira o Banco de Portugal. O saldo melhorou face a junho mas vale apenas um quinto do registado no período homólogo.

Em agosto, a balança externa atingiu 685 milhões de euros, o primeiro valor positivo do ano.

O desempenho de agosto permitiu que o terceiro trimestre do ano fosse diferente dos anteriores que apresentaram défices. Até junho, o défice acumulado era já de 2%. Ainda assim, os resultados positivos chegaram mais tarde este ano do que nos anteriores, quando a entrada em terreno positivo aconteceu em junho ou julho.

“Até setembro de 2019, o saldo conjunto das balanças corrente e de capital fixou-se em 689 milhões de euros, o que compara com 3.167 milhões de euros em igual período de 2018”, diz o banco central.

“Para a redução do saldo contribuíram todas as componentes, à exceção da balança de rendimento primário. Em termos homólogos, o défice da balança de bens aumentou 2.239 milhões de euros e o excedente da balança de serviços diminuiu 379 milhões de euros. Nos primeiros nove meses do ano, as exportações de bens e serviços cresceram 2,5% (1,7% nos bens e 3,9% nos serviços) e as importações aumentaram 6,7% (5,6% nos bens e 11,7% nos serviços)”, diz o banco central.

O saldo externo tem-se agravado este ano, com o aumento das importações a pressionar as trocas comerciais com o exterior. No entanto, as previsões quanto à capacidade de financiamento da economia ainda se mantêm favoráveis.

(Notícia atualizada às 11h36 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contas externas voltam a ser positivas no terceiro trimestre. Saldo foi de 0,4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião