Receitas da Ibersol crescem, mas lucros caem para 10,5 milhões até setembro

  • Lusa
  • 20 Novembro 2019

Este resultado líquido inclui o impacto da norma contabilística IFRS16, que tem "um relevante impacto no resultado acumulado ao terceiro trimestre deste ano", bem como o aumento dos custos.

O grupo Ibersol, que representa a Pizza Hut e a Burguer King, teve lucros de 10,5 milhões de euros até setembro, o que compara com os 23,9 milhões de euros dos primeiros nove meses de 2018, foi divulgado esta quarta-feira. Este resultado líquido inclui o impacto da norma contabilística IFRS16, o que, segundo a empresa, tem “um relevante impacto no resultado acumulado ao terceiro trimestre deste ano”, e que não era aplicada em 2018.

Já excluindo a aplicação desta norma, a empresa teve lucros de 17,5 milhões de euros entre janeiro e setembro, menos 27% do que nos mesmos nove meses de 2018, segundo o comunicado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Entre janeiro e setembro, os proveitos operacionais cresceram 6% para 363,2 milhões de euros, enquanto os custos aumentaram 8,4% para 339,3 milhões de euros. Segundo a empresa, tem havido pressão no sentido do aumento de custos. No caso dos custos com pessoal, estes aumentaram 9,3%, representando 30,8% do volume de negócios (face ao peso de 29,9% em 2018).

Já os custos em fornecimentos e serviços externos (sem IFRS16) cresceram 8,6%, passando a representar 33,6% do volume de negócios, mais 0,8 pontos percentuais face ao período homólogo de 2018, o que a empresa atribui às “condições contratuais das novas concessões em Espanha”, assim como “ao custo das comissões dos agregadores, associados ao aumento do peso do canal domicílio no total do volume de negócios”.

O EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações, sem IFRS16) foi de 43,9 milhões de euros, menos 9,2% face a igual período do ano anterior, referindo a Ibersol que a atividade em Espanha foi “profundamente afetada pela redução de quota no Aeroporto de Barcelona e pelo alargado período de concretização das aberturas nas novas concessões”.

Sobre as perspetivas, a Ibersol prevê “um ligeiro abrandamento do ritmo de crescimento das vendas na linha do que se verificou nos últimos meses, enquanto em Espanha os crescimentos serão mais moderados”. Isto porque, diz, há a incerteza do impacto do Brexit, assim como da “redução do tráfego de passageiros”, que “constitui um dos principais riscos no desempenho das concessões, nomeadamente nos aeroportos de destinos mais turísticos”.

Em Espanha, o grupo espera concluir este ano a abertura das unidades que lhe foram adjudicadas em 2018 nos aeroportos de Barcelona, Gran Canária, Málaga e Alicante. Sobre a expansão, espera “manter o ritmo de aberturas” em Portugal e em Espanha haverá “aberturas seletivas da Pans e Ribs”.

No final de setembro, a Ibersol tinha 647 unidades, das quais 341 em Portugal (340 próprias e uma franquiada), 288 em Espanha (178 próprias e 110 franquiadas), 10 em Angola e oito noutras localizações. O Grupo Ibersol detém as marcas Pizza Hut, Burger King, KFC, O Kilo, Pasta Caffé, Pans, Miit, entre outras cafetarias e quiosques. O grupo Ibersol tem como principais acionistas António Teixeira e António Pinto de Sousa. As ações da Ibersol, que integram o PSI20, desceram esta quarta-feira 0,27% para 7,34 euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Receitas da Ibersol crescem, mas lucros caem para 10,5 milhões até setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião