Hoje nas notícias: CGD, médicos e secretarias

  • ECO
  • 21 Novembro 2019

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

A CGD já começou a cobrar comissões nos depósitos de outros bancos. O dia fica ainda marcado pela nota de que mais de metade dos médicos do SNS não estão em regime de exclusividade, pela garantia dada pela ANA de que as transportadoras foram avisadas das obras no aeroporto de Lisboa e pelo vontade do Governo de criar um regime de acesso ao ensino superior específico para alunos do ensino profissional. O Governo vai levar secretarias de Estado para onde vivem governantes.

CGD já cobra por depósitos de instituições financeiras

O banco público já está a cobrar comissões nos depósitos das instituições financeiros, de modo a tentar contornar a política monetária do Banco Central Europeu. Uma vez que a lei não permite a aplicação de juros negativos nos depósitos em Portugal, a CGD tomou esta opção, um caminho que também já está a ser feito pelo BPI e por outros bancos. “A Caixa cobra comissões [nos depósitos] a instituições financeiras para saldos acima de determinado valor”, confirma fonte oficial, sem revelar qual o patamar em causa.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Hospitais públicos têm mais de metade dos médicos sem exclusividade

Mais de metade dos médicos que prestam serviço nos hospitais públicos não estão em exclusividade. O alargamento desse regime a mais profissionais chegou a ser estudado pela Saúde, mas faltou o “sim” do Ministério de Mário Centeno. De notar que o regime de exclusividade permitiria aumentar o horário de trabalho semanal para 42 horas em troca de um bónus no salário.

Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (acesso pago).

Governo volta a propor novas regras para alunos no profissional

O Executivo de António Costa vai voltar a propor um novo modelo de acesso ao ensino superior especificamente pensado para alunos que concluem o ensino profissional. Essa medida já tinha sido apresentada na legislatura anterior, mas acabou por não avançar, voltando agora a estar em cima da mesa. A solução a propor ainda não está fechada, mas os “contratos de legislatura” a assinar no final do mês com as instituições públicas de ensino superior já deverão incluir o número de estudantes do ensino profissional a atrair para estes cursos.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Governo leva secretarias de Estado para onde vivem governantes

Depois de ter sido revelado que o Governo de António Costa iria instalar três das 50 secretarias de Estado fora de Lisboa, sabe-se agora que o Executivo muda os gabinetes para “casa” dos governantes. A pasta da Conservação das Florestas e do Ordenamento do Território, tutelada por João Catarino, fica em Castelo Branco, onde o secretário de Estado já tinha gabinete. A Secretaria de Estado da Valorização do Interior desloca-se de Castelo Branco para Bragança, de onde é natural e reside Isabel Ferreira. Por fim, a pasta da Ação Social vai até à Guarda, onde nasceu Rita Cunha Mendes.
Leia a notícia completa no Jornal I (link indisponível).

ANA garante que acautelou obras em Lisboa com companhias aéreas

A ANA Aeroportos de Portugal salienta que as transportadoras aéreas que operam no aeroporto da Portela foram “ouvidas e informadas atempadamente sobre o horário de funcionamento” que irá vigorar durante as obras que terão lugar nessa infraestrutura. Deste modo, a gestora dos aeroportos nacionais desvaloriza o impacto destas obras na operação das companhias aéreas, nomeadamente no que diz respeito à limitação imposta pela realização de trabalho para a criação de duas saída rápidas da pista.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: CGD, médicos e secretarias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião