Boris Johnson promete enviar acordo do Brexit para o Parlamento antes do Natal

Os conservadores britânicos apresentam hoje o seu programa eleitoral. Antes do evento, Boris Johnson promete acordo do Brexit no Parlamento antes do Natal e chama-lhe presente antecipado.

O Partido Conservador britânico, do primeiro-ministro Boris Johnson, vai voltar a colocar à votação no Parlamento o acordo alcançado com os líderes europeus para a saída do Reino Unido da União Europeia ainda antes do natal, caso vençam as eleições britânicas que se realizam no próximo dia 12 de dezembro.

No programa eleitoral que Boris Johnson irá apresentar este domingo, os conservadores garantem que colocam a lei, que acabou por ser retirada no Parlamento depois da falta de apoio necessário para discutir a proposta durante o mês de outubro. A falta de apoio levou o primeiro-ministro britânico a pedir um novo adiamento do Brexit junto do Conselho Europeu. Em troca, os trabalhistas britânicos deram o seu aval à realização de novas eleições legislativas.

Agora, no programa eleitoral que irá apresentar, os conservadores dizem que avançam com a submissão da proposta logo a seguir às eleições, ainda antes do Natal, para garantir que o Brexit é concluído antes da próxima data acordada com a União Europeia, que é 31 de janeiro de 2020.

Os conservadores anunciaram a intenção numa nota que precedeu a apresentação do programa eleitoral. “Um presente de Natal antecipado à nação vai trazer a proposta do Brexit novamente antes da pausa para as festas, e colocar o Parlamento a trabalhar para as pessoas”, diz Boris Johnson, na mesma nota.

Na sexta-feira, o líder dos trabalhistas, Jeremy Corbyn, disse que se ganhar as eleições não fará campanha a favor ou contra o Brexit. O trabalhista diz que pretende negociar um novo acordo com a União Europeia e, assim que este estiver fechado, coloca a proposta à votação dos britânicos num referendo, sendo a outra opção a permanência na União Europeia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boris Johnson promete enviar acordo do Brexit para o Parlamento antes do Natal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião