Google paga até 1,5 milhões de dólares a quem descobrir erros no Android

A Google reforçou o incentivo aos especialistas que queiram procurar erros num novo componente dos smartphones Pixel. Paga até 1,5 milhões a quem descobrir uma falha de segurança.

A Google está a oferecer um prémio de até 1,5 milhões de dólares aos especialistas que descubram (e reportem) falhas de segurança num novo componente dos telemóveis Pixel. Até aqui, o valor máximo que a empresa pagava a quem encontrasse bugs no sistema Android era 200 mil dólares, avançou a BBC.

Em causa está um componente de segurança dos smartphones Pixel, chamado “Titan M”. Este chip inovador, adaptado de um outro que a Google já usava para proteger servidores, verifica se os telemóveis estão a correr a versão certa do Android, além de proteger as passwords e dados biométricos usados para aceder ao aparelho.

A multinacional promete pagar o prémio aos programadores que consigam comprometer a integridade desse componente, contornando as apertadas medidas de segurança desenvolvidas pelos engenheiros da empresa. Os testes devem ser feitos usando software específico fornecido pela Google.

A Google não é a única empresa a pagar aos programadores para que “invadam” os seus próprios sistemas e tecnologias. Esta prática, conhecida por bug bounty, visa incentivar o reporte destas falhas à Google, para que sejam rapidamente corrigidas. Desta forma, a empresa tenta evitar que estas vulnerabilidades acabem à venda no mercado negro e que sejam exploradas por pessoas, empresas ou Estados para fins maliciosos.

Ainda assim, segundo a BBC, a prática não é garantia de que estas vulnerabilidades cheguem primeiro ao conhecimento da Google do que de eventuais hackers mal-intencionados. Isto porque estas falhas, muitas vezes, são vendidas a preços muito superiores. Além disso, por norma, segundo especialistas ouvidos pela cadeia britânica, quando uma empresa aumenta o prémio, os preços sobem também no “mercado negro”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google paga até 1,5 milhões de dólares a quem descobrir erros no Android

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião