Costa espera ter relação “de grande colaboração” com Ursula Von der Leyen

  • Lusa
  • 25 Novembro 2019

"É essencial na Europa todos trabalharmos o mais proximamente possível", disse o primeiro-ministro, referindo que espera ter com Ursula Von der Leyen "uma relação o mais próxima possível".

O primeiro-ministro, António Costa, disse esperar ter uma relação “o mais próxima possível e de grande colaboração mútua” com Ursula von der Leyen, a presidente eleita da Comissão Europeia, com quem tem esta terça-feira um jantar em Estrasburgo.

Em declarações aos jornalistas, em Estrasburgo, antes de se dirigir para um jantar privado com Von der Leyen, menos de 48 horas antes de a nova Comissão Europeia ser votada pelo Parlamento Europeu (PE), Costa admitiu que teve uma relação “muito especial” com Jean-Claude Juncker, difícil de replicar, mas disse esperar ter também uma colaboração próxima com a sua sucessora.

É essencial na Europa todos trabalharmos o mais proximamente possível. É evidente que as relações pessoais são pessoais e intransmissíveis, e a relação que tenho tido a oportunidade de ter com o presidente Juncker foi muito especial, porventura também muito fruto das circunstâncias que, felizmente, não se repetem”, disse, referindo-se ao processo de sanções por défice excessivo que pairou sobre Portugal em 2015, pouco após a saída do programa de ajuda externa, mas que acabou por não se concretizar.

Agora, num cenário mais desanuviado, disse esperar também “ter com a presidente Von der Leyen uma relação o mais próxima possível e de grande colaboração mútua”. “Até agora, todos os contactos que temos mantido têm sido positivos, e o facto de termos marcado este jantar para hoje, na semana em que, esperemos, a Comissão seja finalmente eleita aqui no PE, não deixa de ter o significado que tem”, completou.

Antes do jantar com Von der Leyen, num hotel de Estrasburgo, António Costa esteve reunido no hemiciclo, até ao início da noite, com os líderes parlamentares das três maiores famílias políticas europeias, com quem discutiu já a futura presidência portuguesa do Conselho da UE, no primeiro semestre de 2021, mas também temas mais atuais, designadamente as negociações sobre o próximo quadro financeiro plurianual (2021-2027).

“Daqui a um ano estaremos a começar a nossa presidência, e é muito importante que, desde já, a preparemos em conjunto com o PE e também com a Comissão, não só para escolher os temas, [mas também] para ver qual o calendário do programa legislativo. E toda a experiência das nossas anteriores presidências nos indica que uma relação muito próxima com o PE é decisiva”, afirmou.

Apontando que também abordou com Iratxe Garcia (Socialistas e Democratas), Manfred Weber (Partido Popular Europeu) e Dacian Ciolos (Renovar a Europa), “temas mais atuais” como o próximo orçamento plurianual da UE, Costa salientou que “a posição do PE é muito positiva e muito ambiciosa”, no sentido de “reforçar significativamente os recursos financeiros do próximo orçamento”, o que representa “uma posição muito coincidente com a portuguesa”.

A proposta original da Comissão aponta para contribuições nacionais para o orçamento comunitário na ordem do 1,11% do Rendimento Nacional Bruto (RNB), enquanto o PE defende que alcancem os 1,3%. Vários Estados-membros querem que as contribuições nacionais sejam reduzidas para valores na ordem dos 1,0%, cenário categoricamente rejeitado pelo Governo português.

Lembrando que Portugal “tem defendido uma aproximação entre as posições da Comissão e do PE, e não uma posição de retração, como alguns Estados-membros têm tomado”, Costa justificou as reuniões de hoje com a necessidade de “sentir e perceber qual é o estado de espírito dos diferentes líderes dos diferentes grupos, para ver e perceber quais são as condições” para se obter um acordo “tão rapidamente quanto possível”.

“Destes três grandes grupos saio, por um lado, com uma visão muito positiva: todos se mantêm bastante firmes na defesa do 1,3% (do RNB). Por outro lado, preocupado, porque significa que estamos longe das posições de alguns dos meus colegas [no Conselho] e, portanto, o esforço de aproximação é muito necessário”.

Segundo Costa, a posição firme dos líderes das grandes famílias políticas europeias demonstra “claramente que as tentativas que houve de procurar estabelecer consensos entre aquilo que a Comissão tinha proposto e a posição daqueles que defendem uma redução para 1,0% é o caminho errado”. “O caminho que temos de fazer é, pelo contrário, partir da proposta inicial da Comissão e procurarmos aproximá-la da do PE, para evitar mais um novo conflito institucional, que atrase ainda mais a aprovação deste quadro”, concluiu.

Na terça-feira, António Costa regressa ao PE, sendo recebido pelo presidente da assembleia, David Sassoli, além de encontros com os líderes da quarta maior família política do PE, os Verdes europeus, com o futuro comissário europeu do Emprego e Assuntos Sociais, Nicolas Schmit, e com os eurodeputados portugueses Margarida Marques e José Manuel Fernandes, que estão diretamente envolvidos nas negociações sobre o orçamento da União pós-2020.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa espera ter relação “de grande colaboração” com Ursula Von der Leyen

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião