Parlamento Europeu dá “luz verde” ao orçamento da UE para 2020

  • Lusa
  • 27 Novembro 2019

O Orçamento para o próximo ano é marcado pelo reforço de verbas para o ambiente. O Orçamento total tem uma subida de 1,5% para cerca de 169 mil milhões de euros.

O Parlamento Europeu aprovou esta quarta-feira por maioria, em sessão plenária, a proposta de orçamento da União Europeia (UE) para 2020, marcada pelo reforço das verbas para o ambiente.

A votação decorreu em plenário no âmbito da sessão plenária, na cidade francesa de Estrasburgo, e contou com 534 votos a favor, 136 contra e 23 abstenções.

Há cerca de uma semana, negociadores do Parlamento Europeu e do Conselho (onde estão representados os Estados-membros) chegaram a acordo sobre o Orçamento da UE para 2020, que visa um aumento no montante total de 1,5% para cerca de 169 mil milhões de euros, com 21% destinados às alterações climáticas.

O acordo foi alcançado na noite de segunda-feira da semana passada, perto da hora-limite para o fim do prazo para que o Conselho e o Parlamento chegassem a um consenso.

O Orçamento para 2020 fixa as autorizações (o montante máximo de pagamentos futuros que a UE pode prometer) em cerca de 168,7 mil milhões de euros e os pagamentos (o que será efetivamente pago) em perto de 153,6 mil milhões de euros, ou seja, mais 1,5% e 3,4% do que em 2019, respetivamente.

Do valor total, 21% do orçamento será atribuído a vários programas que contribuem para a luta contra as alterações climáticas, como o programa LIFE, que receberá 589,6 milhões de euros (mais 5,6%), ou o Horizonte 2020, que receberá 13 mil milhões de euros (mais 8,8%).

Na altura, reagindo ao acordo alcançado, eurodeputados do PS, PAN e PSD afirmaram à agência Lusa estar satisfeitos com o documento, por estar previsto um reforço das verbas para ambiente e jovens, embora os socialistas tenham apontado haver uma “base minimalista” face ao próximo quadro financeiro plurianual, entre 2021 e 2027.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento Europeu dá “luz verde” ao orçamento da UE para 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião