Nova Comissão Europeia de Ursula Von der Leyen aprovada

  • Vasco Gandra, em Bruxelas
  • 27 Novembro 2019

Entre os deputados europeus, houve 461 votos a favor, 157 contra e 89 abstenções.

O executivo comunitário liderado pela alemã Ursula von der Leyen foi aprovado esta quarta-feira por uma maioria folgada de 461 eurodeputados a favor, 157 contra e 89 abstenções. O Parlamento Europeu dá assim “luz verde” à entrada em funções a 1 de dezembro do novo colégio de comissários que integra a portuguesa Elisa Ferreira, com a pasta da Coesão e Reformas.

Os principais grupos políticos do Parlamento Europeu votaram a favor da nova Comissão: o PPE (onde se inclui PSD e CDS), o grupo dos Socialistas e Democratas (que integra o PS) e o Renew (Liberais centristas). Ao contrário das principais famílias políticas europeístas, os deputados do grupo dos “Verdes” (que integra o PAN), e que são a favor da UE, abstiveram-se.

O grupo da Esquerda Unitária (BE e PCP), o Identidade e Democracia (nacionalistas, populistas), alguns “Verdes” e conservadores reformistas votaram contra.

A Comissão liderada por Ursula Von der Leyen obteve mesmo uma votação superior à alcançada pelo seu antecessor, Jean-Claude Juncker, em 2014 (423 a favor, 209 contra e 67 abstenções).

A democrata cristã alemão parece assim conseguir um apoio folgado para a sua agenda para os próximos quatro anos e que tem como prioridade um pacto ecológico europeu para lutar contra as alterações climáticas, tornar a economia dos 27 mais “amiga” do ambiente e a Europa o primeiro continente neutro do ponto vista das emissões de carbono.

O novo colégio terá 27 membros e não integra um comissário britânico (já que o Reino Unido deverá sair da UE até finais de janeiro) ainda que a Comissão tivesse pedido a Londres que indicasse um nome.

Mas a principal marca do novo executivo é que pela primeira vez tem uma mulher na liderança e o maior número de comissárias de sempre (12), não conseguindo no entanto a paridade absoluta. Entra em funções a 1 de dezembro por um mandato de cinco anos.

(Notícia atualizada pela última vez às 12h49)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova Comissão Europeia de Ursula Von der Leyen aprovada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião