Portugal brilha nos óscares do turismo. É o melhor destino do mundo pelo terceiro ano consecutivo

Portugal trouxe para casa mais de uma dezena de óscares do turismo. Há distinções para cidades, hotéis, companhias aéreas e até atrações turísticas.

E como não há duas sem três, Portugal voltou a trazer pela casa, pelo terceiro ano consecutivo, o prémio de Melhor Destino Turístico do Mundo. Na cerimónia dos World Travel Awards (WTA), que decorreu esta quinta-feira em Omã, os portugueses trouxeram ainda para casa mais de uma dezena de outros prémios, como melhor hotel, melhor resort, melhor companhia aérea e melhor porto de cruzeiros.

Numa feroz competição entre 22 concorrentes de todo o mundo, Portugal foi eleito o Melhor Destino Turístico do Mundo, levando a melhor sobre países como Brasil, Costa Rica, Grécia, Jamaica, Maldivas e Sri Lanka.

Esta distinção “volta a confirmar que Portugal é o melhor destino turístico mundial. É uma honra ter recebido este prémio, que distingue a excelência de Portugal e dos Portugueses e, simultaneamente, eleva a exigência. Todos devemos continuar a trabalhar para reforçar a afirmação internacional de Portugal“, diz a secretária de Estado do turismo, Rita Marques, em comunicado.

Em 2016 e 2017 este prémio também veio para cá, fazendo de Portugal o primeiro país europeu a receber este galardão. Mas não foi só este troféu que voou de Omã para terras lusas… há mais de uma dezena.

Destaque também para a cidade de Lisboa que, pelo segundo ano consecutivo, trouxe para casa o prémio de Melhor Destino City Break do Mundo, superando cidades como Atenas, Dubai, Las Vegas, Nova Iorque e Sidney. Além disso, a Madeira foi eleita o Melhor Destino Insular do Mundo, competindo com 18 ilhas, entre as quais Bali, Bora Bora, Fiji, Havai e Maldivas.

Nas companhias aéreas, a TAP também está de parabéns por ter sido eleita a Melhor Companhia Aérea a voar para África e a Melhor Companhia Aérea a voar para a América do Sul. Além disso, a empresa recebeu ainda o prémio de Melhor Revista de Voo do Mundo, com a UP Magazine.

No setor hoteleiro, Olissippo Lapa Palace Hotel, em Lisboa, foi eleito o Melhor Hotel Clássico do Mundo, enquanto o Dunas Douradas Beach Club, em Almancil, recebeu a distinção de Melhor Golf&Villa Resort do Mundo. Também o Amazing Evolution Management — que gere unidades como o 1908 Lisboa Hotel e o Aldeia dos Capuchos — foi eleito o Melhor Operador de Hotel Boutique do Mundo.

Os Passadiços do Paiva, em Arouca, que já são reconhecidos como Património Geológico da Humanidade pela UNESCO, foram eleitos a Melhor Atração Turística do Mundo no campo Aventura, competindo com atrações internacionais como a Dolphin Cove (Jamaica) e o Jebel Jais Flight (perto do Dubai). Por sua vez, a Parques de Sintra – Monte da Lua foi distinguida como a Melhor Empresa Líder em Conservação do Mundo.

Por último, mas não menos importante, Portugal trouxe ainda para casa o prémio de Melhor Organismo Oficial de Turismo do Mundo com o Turismo de Portugal, numa competição com empresas como a Mazatlán Tourism Board, a Public and Municipal Company of Tourism, Civic Promotion and International Relations of Guayaquil, a Rio Convention & Visitors Bureau e a Visit London.

Para Paula Oliveira, diretora-executiva da Associação Turismo de Lisboa, citada em comunicado, “o trabalho desenvolvido na requalificação do património, promoção do destino e melhoria da oferta cultural, gastronómica e turística tem posicionado o destino como uma referência no que diz respeito às boas práticas e isso reflete-se nestas distinções”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal brilha nos óscares do turismo. É o melhor destino do mundo pelo terceiro ano consecutivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião