António Guterres quer países do mundo a ultrapassar divisões para salvar o planeta

  • Lusa
  • 2 Dezembro 2019

“É imperativo que os Governos aumentem substancialmente a sua ambição”, na luta contra as alterações climáticas, defendeu o secretário-geral das Nações Unidas.

O secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, pediu esta segunda-feira em Madrid a todos os países do planeta para “ultrapassarem” as suas divisões e chegarem a um “entendimento” para lutar contra as alterações climáticas.

“Exorto todas as partes a ultrapassarem as suas atuais divisões e a encontrarem um entendimento comum sobre” a questão da luta contra as alterações climáticas, disse António Guterres na sessão de abertura da Cimeira sobre as alterações Climáticas, conhecida como COP25, que irá decorrer até 13 de dezembro na capital espanhola.

O secretário-geral das Nações Unidas fez um apelo aos representantes de mais 170 países presentes, entre eles 50 chefes de estado e de Governo presentes, como o português, António Costa, “para que aumentem” a sua “ambição e urgência” na luta contra o problema.

O ex-primeiro-ministro português recordou que o globo está numa “encruzilhada crucial” e que “milhões em todo o mundo, entre eles muitos jovens”, estão a pedir para os líderes mundiais “fazerem mais”.

“É imperativo que os Governos aumentem substancialmente a sua ambição”, repetiu António Guterres durante a sua intervenção, concluindo que, se não for feito o esforço suficiente, “o impacto em toda a vida no planeta será catastrófico”.

Durante a 25.ª Conferência das Partes (COP25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, são esperadas delegações de 196 países, assim como os mais altos representantes da União Europeia e várias instituições internacionais, o que pressupõe “a totalidade dos países do mundo”, de acordo com o Governo espanhol, que organiza a reunião.

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, presidiu ao lado de Guterres à sessão de abertura da cimeira, que tem como lema “É tempo de atuar”.

A cimeira sobre o clima estava inicialmente prevista para se realizar no Chile, mas no final de outubro o Governo chileno decidiu cancelar o evento alegando não haver condições devido a um movimento de contestação interna e de agitação civil.

O Governo espanhol avançou com a proposta de organizar a grande conferência anual sobre Alterações Climáticas e conseguiu ter tudo pronto para a sua inauguração, em Madrid, apesar de a presidência da reunião continuar a pertencer ao Chile.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Guterres quer países do mundo a ultrapassar divisões para salvar o planeta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião