Costa quer mais hidrogénio verde. Aponta para 80% de energias renováveis em 2030

"Transição energética não prejudicou o nosso crescimento. Conseguimos ter um crescimento económico acima da média da UE", disse Costa na Cimeira sobre as Alterações Climáticas.

Na Cimeira sobre as Alterações Climáticas, que decorre em Madrid, António Costa defendeu a transição energética. Diz que não prejudicou o crescimento de Portugal, permitindo, pelo contrário, superar a média da União Europeia (UE). Para os próximos anos, a aposta mantém-se, com o Governo a almejar um aumento da produção de hidrogénio verde.

“A transição energética não prejudicou o nosso crescimento. Conseguimos ter um crescimento económico acima da média da UE”, começou por dizer António Costa, acrescentando que também havia receios quanto ao aumento dos custos da energia. “Nos últimos quatro anos reduzimos em 8% os custos, enquanto na UE estes aumentaram 6%”.

“Vamos baixar ainda mais”, sublinhou o primeiro-ministro. “A nossa prioridade na transição energética tem sido reconhecida internacionalmente e, por isso, Lisboa vai ser em 2020 Capital Verde da Europa e a primeira cidade do sul da Europa a ter este título”.

Para o governante, Portugal tem “responsabilidade de ir ainda mais longe e de forma mais rápida” e vai fazer um “esforço mais exigente” para atingir a neutralidade carbónica em 2050.

“Queremos que, em 2030, 80% da nossa energia elétrica tenha origem em fontes renováveis”, disse António Costa, referindo que, para isso acontecer, “em 2021 e 2023 serão encerradas as duas únicas centrais a carvão em Portugal”. O país vai mais longe se apostar na diversificação de fontes de energia e, por isso, outra das prioridades será uma “maior produção de hidrogénio verde”.

Por último, o primeiro-ministro falou ainda nos oceanos, referindo que estes são o “principal regulador climático”. “Temos de ser capazes de dar aos oceanos a atenção que já damos à transição energética, se queremos cumprir esta ambição”, disse, rematando que é preciso “fazer mais, melhor e mais rápido pelo nosso planeta”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa quer mais hidrogénio verde. Aponta para 80% de energias renováveis em 2030

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião