Lisboa dispara no ranking das melhor cidade para expatriados. Está em 6.º lugar

A capital portuguesa subiu 12 lugares na lista das melhores cidades para viver escolhidas por expatriados. A facilidade em "assentar" é um dos pontos fortes de Lisboa.

Depois de Portugal se classificar no pódio dos melhores destinos para expatriados, Lisboa chega ao top 10 das melhores cidades para viver para estes profissionais. A capital portuguesa subiu 12 lugares face ao ano passado, no ranking elaborado pela InterNations.

Numa lista dominada por cidades asiáticas, com a capital de Taiwan a levar a coroa, Lisboa posiciona-se em sexto lugar, sendo que no ranking de 2018 estava em 18º. É a primeira cidade europeia a aparecer, sendo imediatamente seguida por Barcelona. Estes dois locais destacam-se pela facilidade em “assentar”.

Este aspeto é avaliado por elementos como a simpatia e hospitalidade dos locais, nas quais Lisboa se encontra no topo da tabela. Já na avaliação da qualidade da vida urbana, a pontuação de Portugal foi impulsionada por aspetos como o lazer e o clima, e prejudicada pela qualidade dos transportes.

Ainda assim, as piores classificações da capital portuguesa foram no financiamento e alojamento, bem como na vida profissional urbana. O ranking é elaborado a partir das opiniões de mais de 20 mil expatriados, ou seja, pessoas que foram enviadas para outro país para trabalhar, segundo a definição da InterNations, de 178 nacionalidades.

E por outro lado, quais são as piores cidades para expatriados? No ranking que compila 82 cidades, algumas das capitais mais turísticas do mundo ficaram no fim da lista. É o caso das italianas Roma e Milão, que ficaram nos lugares 81º e 80º, respetivamente. Paris ficou apenas em 78º lugar, enquanto Nova Iorque se ficou pela 74º posição.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa dispara no ranking das melhor cidade para expatriados. Está em 6.º lugar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião