Net, balcão ou telefone. Fisco quer saber o que pensa sobre a forma como fala consigo

O Fisco está a pedir aos contribuintes que preencham até 15 de dezembro um questionário sobre os diversos canais de comunicação da AT. Inquérito é feito online e dura cerca de cinco minutos.

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) está pedir aos contribuintes que respondam a um questionário, de forma anónima, sobre os vários canais de comunicação disponibilizados pelo Fisco, de modo a “contribuir para a melhoria do serviço prestado”.

Nesse inquérito que estará disponível até 15 de dezembro, o contribuinte tem de indicar se, em 2019, utilizou algum canal de comunicação da AT — tanto o portal online, como o serviço telefónico ou os balcões espalhados por todo o país — e revelar em que qualidade o fez (particular, empresário, gerente, administrador, advogado, solicitador, contabilista certificado, notário, despachante oficiante). A AT pede também que identifique a sua faixa etária, habilitações literárias, género e situação laboral.

O questionário inclui ainda questões sobre cada um dos canais de comunicação em causa, nomeadamente o principal motivo que levou o contribuinte à utilização em causa e a classificação geral.

“A AT tem como principal objetivo apoiar os cidadãos e as empresas no cumprimento dos seus deveres fiscais e aduaneiros. Para este efeito, não só disponibilizamos a generalidade dos nossos serviços online (à distância de alguns cliques), como esclarecemos as dúvidas dos contribuintes e operadores económicos telefonicamente e ainda asseguramos uma rede de atendimento presencial em todos os concelhos”, lê-se na nota enviada pelo Fisco aos contribuintes. As Finanças garantem a confidencialidade das respostas, referindo que serão usadas apenas para fins estatísticos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Net, balcão ou telefone. Fisco quer saber o que pensa sobre a forma como fala consigo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião