Governo calcula corte de 10% nos fundos de coesão. É “inaceitável”, diz Nelson de Souza

  • ECO
  • 4 Dezembro 2019

Ministro do Planeamento considera que a proposta da presidência finlandesa de contribuições para o orçamento da UE está abaixo da necessidade de financiamento da Europa.

A proposta de orçamento da União Europeia para o período entre 2021 e 2027 poderá representar um corte de 10% nos fundos de coesão para Portugal. Os cálculos foram feitos pelo ministério do Planeamento e noticiados pelo Jornal de Negócios (acesso pago). O ministro Nelson de Souza classifica esta quebra como “inaceitável”.

A presidência finlandesa da União Europeia enviou, esta segunda-feira, o Quadro Financeiro Plurianual (QFP, 2021-27) aos Estados-membros. O total orçamentado ascende a 1,087 biliões de euros, assente numa contribuição nacional de 1,07% do rendimento nacional bruto (RNB) de cada país.

A contribuição é menor que a proposta pela Comissão Europeia (de 1,14%) ou a do Parlamento Europeu (de 1,34%). “A proposta da presidência finlandesa é, de todo, inaceitável para o Governo português e está claramente abaixo da necessidade de financiamento da Europa, da coesão e também das novas prioridades da nova Comissão Europeia”, afirmou o ministro do Planeamento, Nelson de Souza, ao Negócios.

Houve 17 países que rejeitaram o orçamento. Neste grupo inclui-se Portugal, sendo que o Governo português defende que os Estados-membros devem contribuir com 1,16% do RNB para o orçamento da UE. A atual proposta “não corresponde à vontade da maioria dos Estados-membros da UE”, sublinhou Nelson de Souza, que critica ainda que Helsínquia esteja ao lado de cinco países que apoiaram a proposta (Alemanha, Áustria, Holanda, Dinamarca e Suécia) em detrimento do interesse geral da União.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Governo calcula corte de 10% nos fundos de coesão. É “inaceitável”, diz Nelson de Souza

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião