Moody’s muda perspetiva da banca mundial de estável para negativa em 2020

  • Lusa
  • 5 Dezembro 2019

A agência de notação justifica a alteração da prespetiva face ao "abrandamento na tendência de crescimento a longo prazo, juntamente com um crescente ambiente económico incerto".

A agência de notação financeira (‘rating’) Moody’s mudou esta quinta-feira a sua perspetiva para a banca mundial de estável para negativa, “refletindo uma tendência de crescimento lento, baixas taxas de juro e condições mais voláteis de operação”.

A nossa perspetiva para 2020 para os bancos mundiais mudou de estável para negativa, refletindo uma tendência de crescimento lento, baixas taxas de juro e condições mais voláteis de operação que irão resultar em maiores desafios para o crédito dos bancos”, pode ler-se num relatório esta quinta-feira divulgado pela Moody’s.

A agência de ‘rating’ assinala que “um abrandamento na tendência de crescimento a longo prazo, juntamente com um crescente ambiente económico incerto, significam que as perspetivas são negativas para os bancos”.

“O aumento do risco de recessão nos Estados Unidos e na Europa, juntamente com um crescimento lento na região Ásia – Pacífico e nos mercados emergentes, levará a um deteriorar da qualidade de crédito e maiores custos de provisionamento para os bancos”, completa a entidade norte-americana.

A Moody’s afirma também que “um regresso a uma política monetária acomodatícia e o uso de taxas de juro negativas em algumas regiões” adicionam pressões à lucratividade dos bancos.

“Os bancos deparam-se com desafios particulares na passagem de taxas negativas para operadores de retalho. Os bancos com maiores estruturas de custos serão os mais atingidos, reabrindo questões sobre a viabilidade a longo prazo de alguns modelos de negócio”, alerta a agência.

Na Europa, em particular, “a lucratividade vai continuar a ser uma fraqueza no crédito”, segundo a Moody’s.

A agência destaca ainda os riscos políticos, tanto a nível doméstico como internacional, que serão “uma fonte significativa de incerteza”.

“Pelo mundo, uma cada vez maior perspetiva populista está a comprometer a eficácia das políticas domésticas, enfraquecendo a força das instituições e constituindo riscos sociais e de governabilidade”, o que no entender da Moody’s traz maiores dificuldades de operação aos bancos.

No mesmo segmento, a agência de ‘rating’ assinala que “agendas políticas imprevisíveis podem também ter um impacto mais direto, incluindo através do aumento de tributação ou através do uso da regulação bancária para atingir objetivos políticos”.

Relativamente às tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos, a Moody’s refere que trazem “consequências negativas aos bancos”, especialmente na qualidade do crédito na banca asiática e americana, afirmando mesmo que no caso de uma escalada na ‘guerra’ comercial “há o risco de uma liquidação nos mercados financeiros”.

A Moody’s assinala também que os custos regulatórios “permanecerão altos em 2020” para os bancos mundiais, que continuarão a constituir ‘stocks’ de dívida, “aumentando a proteção para os depositantes e alguns credores”.

“A pressão sobre os perfis de crédito dos bancos será mitigada pelos seus balanços mais fortes e perfis de risco mais conservadores“, de acordo com a agência de notação financeira, que prevê que “o capital e a liquidez permanecerão robustos em 2020, apesar de menores ganhos e maiores distribuições de dividendos”.

A agência destaca ainda as “tecnologias disruptivas”, que “continuarão a fomentar a inovação em alguns segmentos de negócio, particularmente nos serviços de pagamento”, o que levará a que os bancos tenham que “investir fortemente em inovação digital para defender o seu negócio”.

“O aumento do financiamento sustentável irá cada vez mais colocar os bancos sob pressão para refocar a sua estratégia e modelo de negócio, e para integrar considerações ambientais, sociais e de governança nas suas decisões de investimento”, salienta também a Moody’s.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s muda perspetiva da banca mundial de estável para negativa em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião