Pompeo adverte contra Huawei, Portugal garante estar atento

O secretário de Estado norte-americano reuniu-se com o ministro Augusto Santos Silva e alertou contra os "riscos envolvidos" em desenvolver o 5G com tecnologia da chinesa Huawei.

Mike Pompeo veio esta quinta-feira a Lisboa advertir Portugal contra a atribuição das redes 5G de telecomunicações à chinesa Huawei, ao que o Governo português respondeu assegurando que qualquer decisão terá em conta a segurança nacional.

O secretário de Estado norte-americano reuniu-se com o ministro dos Negócios Estrangeiros português, afirmando em conferência de imprensa que aborda a questão da transição tecnológica “de forma muito consistente em todo o lado” para “proteger os interesses dos cidadãos americanos” ao garantir que “a informação só chega onde é seguro”. “Reconhecemos a soberania de todas as nações, mas tentámos nos últimos dois anos deixar claro aos nossos aliados os riscos envolvidos”, disse Mike Pompeo.

Recuperando a mensagem deixada na quarta-feira pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, após a cimeira da NATO, em Londres, de que entregar a transição para a quinta geração de telecomunicações à Huawei é um “risco de segurança” para os aliados, Pompeo afirmou que “não é sobre uma empresa em particular”, mas um regime, o do Partido Comunista Chinês.

Na resposta, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, assegurou que em qualquer investimento estrangeiro realizado em Portugal o Governo assegura que “a economia está subordinada ao poder político, à ordem política democrática e aos interesses de segurança nacional”. “E assim sucederá na área crítica das telecomunicações, designadamente na evolução para a 5.ª geração”, frisou o ministro.

“Temos neste momento três grandes operadoras em Portugal, uma francesa, outra britânica e outra luso-angolana, e todas têm cumprido a legislação portuguesa e europeia em matéria de segurança nacional”, disse.

Os avisos de Mike Pompeo surge cerca de um mês depois de o principal conselheiro de Donald Trump para a área da tecnologia, Michael Kratsios, ter subido ao palco do Web Summit, na Altice Arena, em Lisboa, para criticar os países que “abriram os braços” à China. “O governo chinês viola a privacidade de todos os cidadãos no seu país. A lei chinesa obriga todas as empresas, incluindo a Huawei, a colaborar com o governo”, disse.

Essa crítica atingiu diretamente Portugal, que tem sido visto como país aliado da Huawei. Pelo menos duas das maiores empresas de telecomunicações portuguesas estão a usar equipamento da Huawei na construção das suas redes móveis 5G, incluindo a Meo, detida pela Altice Portugal, que tem a maior quota de mercado atualmente.

A Huawei tem vindo a recusar todas as acusações de que a tecnologia que desenvolve é insegura. Após as declarações de Kratsios, no início de novembro, a Huawei não tardou a considerá-las “falsas”. “Em contraste com o que o senhor Kratsios diz, o que a atual administração dos EUA está a fazer é um insulto aos valores europeus e vai resultar numa desaceleração das ambições de se tornarem um polo global de inovação”, apontou a empresa num comunicado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pompeo adverte contra Huawei, Portugal garante estar atento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião