Portugal é um dos países da OCDE onde a carga fiscal mais subiu desde 1965

  • ECO
  • 5 Dezembro 2019

Dados novos da OCDE mostram que Portugal é um dos países onde a carga fiscal mais subiu desde 1965. Grécia e Espanha são os países onde há aumentos maiores. Irlanda apresenta uma queda.

A carga fiscal em Portugal aumentou de 15,7% do PIB para 35,7% do PIB, entre 1965 e 2018, revelam estatísticas novas publicadas esta quinta-feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), e que mostram que só a Grécia e a Espanha apresentaram crescimentos maiores.

Na Grécia e em Espanha, a carga fiscal aumentou em 21,6 e 20,1 pontos percentuais nestes período de 53 anos, acima dos 19,7 pontos de agravamento em Portugal.

De acordo com a OCDE, apenas um país dos observados apresenta um recuo no peso que os impostos têm na economia. Na Irlanda, a carga fiscal medida em percentagem do PIB reduziu-se em 2,2 pontos, estando agora nos 22,3%. Os EUA ocupam a segunda melhor posição, com o menor aumento da carga fiscal (de 0,8%).

Nos EUA, a carga fiscal é das mais baixas entre os 36 países analisados, de 24,3%, ficando apenas acima da registada na Irlanda, Chile e México. No extremo oposto está França (46,1%(, Dinamarca e Bélgica, ambos perto dos 45%. Grécia, onde a carga fiscal mais subiu, está em 11.º lugar do ranking, à frente da Alemanha, sendo que Portugal está em 16.º.

A carga fiscal tem sido um dos temas mais polémicos recentemente em Portugal. O indicador tem apresentado níveis recorde, que o Governo enquadra com a receita fiscal e de contribuições sociais obtidas com o crescimento da economia e o maior dinamismo do mercado de trabalho.

No Orçamento do Estado para o próximo ano, o Governo quer aumentar a dedução em IRS com os filhos e mexer nos benefícios fiscais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal é um dos países da OCDE onde a carga fiscal mais subiu desde 1965

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião