China alivia tensões comerciais. Soja e carne de porco dos EUA estão isentas de novas tarifas

O regime chinês anunciou que vai isentar de novos impostos aduaneiros as importações de soja e carne de porco dos EUA, numa tentativa de facilitar um acordo com os norte-americanos.

A China decidiu excluir das tarifas sancionatórias contra os EUA as importações de alguns tipos de soja e carne de porco, numa nova tentativa de aliviar as tensões comerciais para facilitar um acordo comercial com os norte-americanos.

Em causa, o imposto de 25% sobre as importações de produtos dos EUA anunciado por Pequim em julho de 2018, em retaliação contra uma medida semelhante anunciada por Washington, segundo informações avançadas pelo South China Morning Post, que cita um comunicado da Comissão Tributária do Conselho de Estado chinês.

Esta medida surge quando faltam poucos dias para entrar em vigor mais um conjunto de tarifas punitivas dos EUA contra o regime de Xi Jinping. Está previsto que, a 15 de dezembro, bens produzidos na China no valor de 160 mil milhões de dólares sejam alvo de uma nova tarifa aduaneira de 15%.

Os EUA e a China continuam a tentar negociar um acordo comercial que trave a escalada da guerra comercial entre as duas economias. A questão tem estado na base do abrandamento económico mundial que se está a verificar, com alguns economistas a anteciparem mesmo uma recessão global.

As negociações têm conhecido altos e baixos ao longo dos últimos meses. Esta semana, o presidente dos EUA, Donald Trump desferiu um novo golpe nas esperanças dos investidores, ao declarar não ter pressa e ao afirmar que o acordo comercial pode esperar até depois das eleições Presidenciais de 2020 no país. A informação provocou uma queda de 400 pontos no índice industrial Dow Jones na terça-feira.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China alivia tensões comerciais. Soja e carne de porco dos EUA estão isentas de novas tarifas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião