Seguradoras dizem que já há seguros para o Programa de Arrendamento Acessível

  • Lusa
  • 6 Dezembro 2019

"Começam a aparecer os primeiros produtos no mercado. Alguns dos nossos associados já têm essa oferta", disse o presidente da Associação Portuguesa de Seguradores (APS).

O presidente da Associação Portuguesa de Seguradores (APS) disse que “começam a aparecer os primeiros produtos no mercado”, referindo-se aos seguros de danos no imóvel e de renda, exigidos aos inquilinos no âmbito do Programa de Arrendamento Acessível (PAA).

“Começam a aparecer os primeiros produtos no mercado. Alguns dos nossos associados já têm essa oferta”, disse José Galamba de Oliveira, presidente da APS, em declarações à Lusa esta quinta-feira.

O responsável respondia quando questionado sobre os dois seguros exigidos aos inquilinos — o de danos no imóvel e o de renda — no âmbito do PAA, que entrou em vigor a 1 de julho de 2019. Em declarações à Lusa, António Frias Marques, presidente da Associação Nacional de Proprietários, aludiu, na semana passada, à dificuldade dos inquilinos em encontrarem estes produtos no mercado.

Para fazer os contratos no PAA são necessários três seguros, um do senhorio e dois para os inquilinos, mas as companhias de seguros não estão para aí viradas porque o tipo de inquilino que procura o arrendamento acessível é o que tem menos possibilidades [financeiras]”, referiu António Frias Marques, acrescentando que os senhorios que têm casas neste programa acabam por ser aconselhados a exigir uma caução e um fiador ao inquilino. “Parece uma coisa trágico-cómica”.

O presidente da APS referiu que, “obviamente as seguradoras, ao disponibilizarem esta oferta, estão também a assumir riscos e responsabilidades que querem medir bem e, portanto, houve aqui algum tempo que foi necessário para colocar os produtos no mercado“, frisando que “este tipo de novos produtos obriga a estudos técnicos”.

José Galamba de Oliveira adiantou ainda que se trata de produtos que precisam de regulação e da aprovação pela Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões. “Portanto, não é ‘num dia’ que se conseguem disponibilizar este tipo de produtos. Mas a oferta já está no mercado, numa ou noutra seguradora, e seguramente vamos ver mais seguradoras no futuro a disponibilizar produtos desse tipo“, salientou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguradoras dizem que já há seguros para o Programa de Arrendamento Acessível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião