Estudantes dos EUA são os que mais gastam em alojamento em Portugal. Mas brasileiros lideram em número

Os norte-americanos gastam, em média, 676 euros em arrendamentos na Uniplaces. No Porto são os britânicos que mais pagam, enquanto em Coimbra são os macaenses.

Os estudantes norte-americanos são os que mais dinheiro gastam em alojamento em Portugal, com uma média de 676 euros por arrendamento, revela a Uniplaces. Contudo, são os estudantes brasileiros que lideram em número, totalizando mais de um quarto de todas as reservas.

Na hora de arrendar um quarto ou uma casa em território nacional, são os estudantes vindos dos Estados Unidos que mais dinheiro têm disponível. No ano passado, as estadias de médio prazo desta nacionalidade rondaram, em média, os 676 euros. Atrás deles aparecem os estudantes britânicos (586 euros), franceses (534 euros), holandeses (532 euros) e alemães (525 euros).

Contudo, se olharmos apenas para os arrendamentos em Lisboa, o cenário muda. Embora continuem a ser os norte-americanos a destacarem-se, com uma média de 665 euros, atrás aparecem os noruegueses (645 euros), suecos (626 euros), canadianos (614 euros) e britânicos (598 euros).

Já no Porto, os valores médios são ainda mais baixos e as nacionalidade igualmente diferentes. São os estudantes britânicos que mais pagam (uma média de 589 euros por arrendamento), à frente dos franceses (497 euros), turcos (494 euros), holandeses (487 euros) e alemães (477 euros).

Em Coimbra, o destaque vai para os estudantes de Macau, com uma média de 504 euros por arrendamento, enquanto todas as outras nacionalidades têm arrendamentos médios inferiores a 400 euros: Reino Unido (358 euros), França (328 euros), Bélgica (319 euros) e China (308 euros).

Mas se o critério for a nacionalidade que mais reservas faz através da plataforma Uniplaces, os estudantes brasileiros lideram, representando 25,69% de todas as nacionalidades. Atrás surgem os espanhóis (8,06%), os italianos (7,54%), os franceses (5,83%) e os alemães (5,76%).

Os estudantes e profissionais de nacionalidade estrangeira representam uma elevada percentagem dos utilizadores da Uniplaces em Portugal. Não apenas porque se trata de uma plataforma segura e de confiança para quem precisa de encontrar alojamento à distância, mas também porque permite encontrar diferentes soluções consoante o perfil do arrendatário”, diz Carolina Almeida, CMO da Uniplaces, citada em comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estudantes dos EUA são os que mais gastam em alojamento em Portugal. Mas brasileiros lideram em número

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião