Grupo francês investe 30 milhões em resort de luxo na Comporta

O La Réserve Natural Resort & Spa terá 162 propriedades, desde apartamentos, villas a moradias de luxo. As primeiras unidades deverão estar concluídas no verão de 2021.

O Grupo Terrésens vai investir mais de 30 milhões de euros na construção de um resort, numa área de dez hectares, na Comporta. O La Réserve Natural Resort & Spa terá 162 unidades de alojamento, desde apartamentos, villas e moradias de luxo. As obras já arrancaram e os primeiros apartamentos deverão estar concluídos no verão de 2021.

O empreendimento começou recentemente a ser construído, mas 60% das unidades de alojamento já estão pré-reservadas. “A mais de um ano da conclusão dos primeiros apartamentos, isto deixa-nos extremamente satisfeitos”, diz Sabine Fossat, responsável do Grupo Terreséns em Portugal, citada em comunicado.

“La Réserve” Natural Resort & Spa, do Grupo Terrésens, na Comporta.D.R.

Localizado em plena vila da Comporta, numa área de dez hectares, o La Réserve terá 162 propriedades, classificadas em três tipos: 56 apartamentos T2, 82 villas T2 a T4 e 24 moradias de luxo T4 a T5.

As obras já arrancaram e a primeira fase — os apartamentos — deverá estar concluída no verão de 2021. Seguir-se-ão as moradias, que deverão estar prontas no verão de 2022 e as as villas no quatro trimestre de 2022.

O grupo francês ficará responsável por desenvolver e promover os terrenos, mas também por comercializar o empreendimento, algo pouco comum no mercado imobiliário, dado que estas etapas costumam ser distribuídas por várias empresas.

“Se em muitos países somos referenciados pelos nossos projetos em regiões montanhosas e mais ligados ao inverno, aqui queremos desbravar caminho indo ao encontro da mesma sofisticação e da nossa própria traça, mas com a vertente do verão e praia“, refere Sabine Fossat.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo francês investe 30 milhões em resort de luxo na Comporta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião