Saudi Aramco desafia os céticos e atinge avaliação de dois biliões no segundo dia em bolsa

Ações da petrolífera saudita valorizaram quase 5% no segundo dia em bolsa, aceleração que lhe permite atingir uma avaliação de mercado de dois biliões de dólares.

A Saudi Aramco volta a brilhar em bolsa pelo segundo dia, atingindo a meta dos dois biliões de dólares de avaliação, consolidando o estatuto da empresa mais valiosa dos mercados e desafiando os céticos que questionam o real valor da petrolífera saudita.

As ações da Aramco chegaram a valorizar quase 10% na segunda sessão na bolsa de Riade, mas acabaram por fecharam as negociações com um ganho de 4,55% para os 36,80 riais.

A subida acontece depois dos ganhos de 10% na primeira sessão, e levou a cotação a distanciar-se assim dos 32 riais a que entraram em bolsa através da maior Oferta Pública Inicial (IPO) de sempre nos mercados. Esta permitiu ao Governo saudita angariar 25,6 biliões de dólares, quantia que servirá para o Reino desenvolver outros setores e limitar a dependência do petróleo.

A petrolífera atinge também, assim, a tão ambicionada fasquia dos dois biliões de dólares por parte do Governo saudita e tida como irrealista pela maioria dos analistas.

Entretanto, os analistas da Bernstein iniciaram a cobertura das ações da Aramco e recomendaram aos clientes que vendam já, apontando para uma avaliação de 1,36 biliões de dólares, abaixo da avaliação de mercado atual.

A Saudi Aramco é a maior, e mais lucrativa empresa petrolífera do mundo, mas o tamanho não é tudo“, escreveram os analistas daquela casa de investimento, sinalizando o risco de um lento crescimento da sua receita líquida caso os preços do petróleo permaneçam baixos.

A nota de Bernstein diz ainda que a Aramco deveria negociar com desconto e não com prémio face às petrolíferas internacionais, com o corporate governance da empresa a ser apontado como “o principal risco para os investidores”, já que a Arábia Saudita deterá mais de 98% da empresa.

(Notícia atualizada às 17h com cotação de fecho)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saudi Aramco desafia os céticos e atinge avaliação de dois biliões no segundo dia em bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião