Altice vende 49,99% da rede de fibra ótica à Morgan Stanley

A Altice Europe vendeu 49,99% da rede de fibra ótica em Portugal à Morgan Stanley Infrastructure Partners. Empresa espera um encaixe de 1.565 milhões de euros em 2020.

A Altice Europe vendeu à Morgan Stanley Infrastructure Partners quase metade da rede de fibra ótica que tem em território nacional, num negócio que avalia agora a rede em 4,63 mil milhões de euros. Com esta transação, que deverá estar concluída no primeiro semestre do próximo ano, a Altice espera um encaixe de 1.565 milhões de euros em 2020.

Já há vários meses que a Altice estava em conversações com potenciais compradores para vender esta posição na rede de fibra ótica, mas o futuro dono desta participação está escolhido. Com esta transação acordada com a Morgan Stanley Infrastructure Partners, a Altice vai receber, para além dos 1.565 milhões em 2020, mais 375 milhões de euros em dezembro de 2021 e outros 375 milhões em dezembro de 2026, lê-se no comunicado.

De acordo com a Altice, esta é a primeira vez na Europa que um “operador histórico de telecomunicações separa a sua rede de fibra ótica”. Com esta operação, vai ser criada a “única empresa de fibra verdadeiramente nacional na Europa”, capaz de dar um “importante impulso ao mercado português de telecomunicações e à economia portuguesa”.

A Altice Portugal FTTH, empresa criada com a assinatura deste acordo, vai vender serviços aos operadores de telecomunicações em Portugal “com as mesmas condições financeiras”, refere o documento. Por sua vez, a Meo “venderá serviços técnicos à Altice Portugal FTTH para a construção, conexão e manutenção da rede de fibra”.

“Estou muito satisfeito pelo facto de a nossa parceria com a Morgan Stanley Infrastructure Partners — iniciada no contexto da nossa transação das torres portuguesas em 2018 –, agora continuar com um projeto de fibra transformacional”, diz Patrick Drahi, fundador da Altice, citado em comunicado.

“Esta transação fantástica com os nossos parceiros de longa data da Morgan Stanley Infrastructure Partners vai acelerar a desalavancagem do grupo”, continua o responsável, referindo que este negócio vai “abrir caminho para operações de refinanciamento significativas em 2020, o que permitirá acelerar o programa de redução de juros da dívida”.

(Notícia atualizada às 8h15 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice vende 49,99% da rede de fibra ótica à Morgan Stanley

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião