Oi já tem CEO. Rodrigo Abreu substitui Eurico Teles

Conselho de Administração da Oi decidiu, por unanimidade, nomear Rodrigo Modesto de Abreu para assumir o cargo de CEO a partir de 31 de janeiro de 2020.

A Oi já tem substituto para Eurico Neto. Em comunicado enviado à CMVM, a Pharol, acionista da operadora de telecomunicações brasileira, revelou que Rodrigo Modesto de Abreu foi o escolhido para assumir a liderança da empresa a 31 de janeiro.

“O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e o Juízo da Recuperação Judicial tomaram formalmente ciência da indicação realizada pelo Conselho de Administração da Oi, por unanimidade, em reunião realizada no dia 10 de dezembro de 2019, do Sr. Rodrigo Modesto de Abreu para assumir o cargo de Diretor Presidente da Companhia em 31 de janeiro de 2020“, refere a empresa.

Rodrigo Abreu entrou na Oi “em setembro de 2018 como membro de seu Conselho de Administração, tendo atuado também como coordenador do Comitê de Transformação, Estratégia e Investimentos”. Ocupa a posição de Chief Operating Officer – COO – da Oi desde setembro de 2019, tendo agora sido o escolhido para suceder a Eurico Teles.

“Eurico de Jesus Teles Neto anunciou nesta data que deixará o cargo de diretor presidente da companhia em 30 de janeiro de 2020, conforme o Termo de Ajustamento e Modelo de Transição de Diretoria Executiva homologado pelo Juízo da 7ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro (Juízo da Recuperação Judicial)”, anunciou a Oi a 11 de dezembro.

Teles Neto, foi nomeado CEO em 2017, após a renúncia ao cargo de Marco Schroeder, anunciou a sua saída, isto num altura em que continua a decorrer o processo de recuperação judicial da empresa detida, em parte, pela Pharol. A homologação do Plano de Recuperação Judicial completa dois anos em fevereiro, altura em que cessaria, mas a Oi pediu mais tempo para levar a cabo o seu processo de reestruturação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oi já tem CEO. Rodrigo Abreu substitui Eurico Teles

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião