AG extraordinária da Pharol não teve quórum. Reunião foi adiada para 8 de janeiro

O objetivo era reduzir o número de administradores da Pharol e destituir, entre outros, Nelson Tanure. Mas Tanure já saiu e a reunião, esta quarta-feira, não teve quórum. Foi remarcada para janeiro.

A assembleia geral extraordinária da Pharol PHR 1,97% , para votar alterações ao número de membros do Conselho de Administração, foi adiada para 8 de janeiro de 2020. A reunião estava prevista para a manhã desta quarta-feira, mas não teve quórum, disse ao ECO fonte próxima da empresa.

Este encontro de acionistas foi proposto em novembro pela Real Vida Seguros, sociedade detida pela Patris de Gonçalo Pereira Coutinho, que entrou este ano para a lista dos acionistas qualificados da Pharol, com uma posição de 4,34%.

Um dos objetivos era o de reduzir os números máximo e mínimo de membros do board da cotada e destituir, entre outros, o administrador Nelson Tanure. Este, no entanto, apresentou a demissão no passado dia 10 de dezembro, admitindo deixar a empresa com “dezenas de milhões de euros” de prejuízos, disse o próprio ao ECO.

Num comunicado enviado à CMVM em novembro, a Real Vida Seguros explicou que “os números mínimo e máximo de membros do Conselho de Administração” da Pharol, respetivamente nove e onze, foram fixados “num momento em que se antevia um vasto escopo para a atividade da sociedade”. A seguradora considera, assim, que o número mínimo de administradores deve ser alterado para três e o máximo para sete, uma vez que, atualmente, a Pharol limita-se “à gestão da participação social” que tem na operadora Oi.

Se os acionistas aprovarem esta alteração nos estatutos, a Real Vida Seguros propõe também que seja votada a destituição de dois dos atuais administradores: Jorge das Neves e Aristóteles Drummond. Tanure também estava na lista, mas já não tem assento no Conselho de Administração da empresa liderada por Luís Palha da Silva.

Cotação das ações da Pharol em Lisboa

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AG extraordinária da Pharol não teve quórum. Reunião foi adiada para 8 de janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião