Confiança reforçada no acordo comercial leva Wall Street a novos recordes

Os comentários do Secretário de Tesouro nos Estados Unidos, Steven Mnuchin, foram determinantes para o rumo de Wall Street. Revelou confiança num acordo de "fase 1" em janeiro.

Foi um dia de novos recordes históricos em Wall Street. Os três índices bolsistas de referência dos EUA encerraram em máximos de sempre, com os investidores otimistas face aos sinais positivos em torno do acordo comercial com a China e os dados positivos sobre a economia norte-americana.

O S&P 500 subiu 0,44%, para os 3.305,27 pontos, enquanto o Dow Jones somou 0,48%, para os 28.375,87 pontos. Já o Nasdaq teve a sétima sessão seguida de ganhos, somando 0,67%, rumo a um novo recorde histórico de 8.887,22 pontos.

Os comentários do Secretário de Tesouro nos Estados Unidos, Steven Mnuchin, foram determinantes para esse rumo. Em entrevista à CNBC, o responsável da administração de Donald Trump afirmou que está “confiante” de que a “fase 1” no acordo comercial com a China seja assinada já em janeiro.

Os comentários vieram aliviar algumas preocupações de que as divergências entre Washington e Pequim possam impedir novamente a conclusão do acordo comercial, disse Brent Schutte, estrategista-chefe de investimentos da Northwestern Mutual Wealth Management. “O risco político está a sair do mercado”, afirmou o especialista.

A redução dos pedidos de subsídio de desemprego nos EUA na última semana, que aliviaram de máximos de mais de dois anos, também ajudou a reforçar as expectativas sobre a evolução da economia.

A nível empresarial, destaque positivo para a Conagra Brands, que vê as suas dispararem 15,8%, depois de ter superado as suas estimativas trimestrais de vendas e lucros.

No mesmo sentido segue a Micron Technology, mas com ganhos de 2,8%, após a empresa sinalizar uma recuperação dos seus negócios em 2020 e dizer que recebeu licenças para fornecer alguns produtos à Huawei. A Cisco Systems também subiu 2,7%, depois de o Barclays ter revisto em alta a sua avaliação da tecnológica.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Confiança reforçada no acordo comercial leva Wall Street a novos recordes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião