IMI dos centros históricos passa a ser decidido pelas Câmaras, diz Mendonça Mendes

  • ECO
  • 20 Dezembro 2019

Os municípios vão poder fazer os seus regulamentos para as isenções de IMI nos centros históricos. O objetivo da medida é eliminar a distorção provocada pelas isenções nestes locais.

As autarquias passam agora a poder decidir sobre o IMI nos centros históricos, já que foi eliminado o benefício para estes locais na proposta de Orçamento do Estado. O objetivo com a revogação da isenção é eliminar a distorção que era provocada ao abranger todos os imóveis no centro histórico.

“A interpretação era que todos os imóveis incluídos no centro histórico, independentemente do seu interesse histórico, estavam abrangidos pela isenção. Isso fazia com que todo o Alto Douro Vinhateiro estivesse isento de IMI”, aponta o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, em entrevista ao Jornal de Negócios (acesso pago).

Perante esta situação, “o que este OE faz, em diálogo com a Associação Nacional de Municípios, é revogar esta isenção que criava esta distorção, para que os municípios façam os seus regulamentos para as isenções de IMI”, explica António Mendonça Mendes. Desta forma, o que é eliminado é “o benefício que existia no Estatuto dos Benefícios Fiscais para os centros históricos”.

Ainda assim, “na lei das finanças locais é permitido que as autarquias decidam sobre as isenções objetivas e subjetivas”, completa. Com as mudanças, o IMI dos centros históricos passa a ser decidido pelos municípios, sendo que “os monumentos nacionais continuam isentos pela isenção subjetiva que o Estado tem”, acrescenta Mendonça Mendes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IMI dos centros históricos passa a ser decidido pelas Câmaras, diz Mendonça Mendes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião