3 desejos de Carmo Sousa Machado: “Unir os advogados e criar pontes com todo o setor da Justiça”

Carmo Sousa Machado, sócia da Abreu Advogados, partilhou com o ECO os seus desejos para 2020. A chairman confidenciou que as áreas de sustentabilidade e tecnologia serão uma aposta da sociedade.

A sócia e chairman da sociedade Abreu Advogados, Carmo Sousa Machado, partilhou com o ECO os seus desejos para o ano de 2020. A encerrar um ano profissional em que tomou posse como chair da Multinational Association of Independent Law Firms (Multilaw), a advogada deseja que o ano de 2020 seja capaz de “unir os advogados e criar pontes com todo o setor da Justiça”.

Após a vitória de Luís Menezes Leitão nas eleições da Ordem dos Advogados para o triénio 2020-2022, Carmo Sousa Machado, que integra a equipa do novo bastonário, quer que todos se sintam representados pela Ordem e que aproveitem o desenvolvimento tecnológico, desde o “advogado em prática individual” às “grandes sociedades de advogados”.

A sócia da Abreu Advogados revelou ainda, em resposta ao desafio lançado pelo ECO, que a estratégia da sociedade para 2020 passa pela aposta em duas novas áreas: sustentabilidade e tecnologia. “Estamos confiantes que em 2020 poderemos continuar a “colher” frutos de uma estratégia que está focada em, de forma continua e sustentada, potenciar os nossos serviços”, nota.

Com o ano de 2019 na reta final, conheça os desejos de Carmo Sousa Machado, para o país, para o setor da advocacia e para a Abreu Advogados, sociedade em integra desde 1996.

Um desejo para o país

Que o Governo seja capaz de assegurar um efetivo de crescimento económico e estabilidade só assim permitindo que as empresas cresçam e que possamos atrair talento e investidores estrangeiros.

Que Portugal possa ser um exemplo pioneiro para a sustentabilidade. No ano em que Lisboa é a Capital Verde da Europa, e em que a presidente da Comissão Europeia (Ursula von der Leyen) apresentou medidas ambiciosas no “Green Deal”, gostaria que pudéssemos aplicar medidas bem pensadas e não populistas que gerem resultados com impacto. Lidar com as alterações climáticas é premente e precisamos de coragem.

Um desejo para o seu setor

Que o novo Bastonário da Ordem dos Advogados e a sua equipa, que integro, seja capaz de unir os advogados e criar pontes com todo o setor da Justiça. Do advogado em prática individual, ao advogado de empresa e às grandes sociedades de advogados, gostava que todos nos sentíssemos representados.

Vivemos tempos muito desafiantes com uma alucinante evolução tecnológica que implica também desafios éticos à nossa atividade. Desejo que os advogados sejam capazes de aproveitar o que de bom a tecnologia tem e de compreender e antecipar os desafios, para que possamos conduzir os nossos clientes pela inovação, zelando pela sua segurança, interesses e sustentabilidade.

Um desejo para a sua empresa

Que o ano de 2020 seja tão bom ou melhor do que o de 2019. Foi um ano de crescimento e afirmação da nossa marca, com a apresentação do rebranding e o reforço significativo de algumas das nossas áreas de prática e setores.

Para 2020 temos duas áreas incontornáveis da nossa estratégia: sustentabilidade e tecnologia. Este ano tomámos decisões importantes para que toda a nossa atividade integre a inovação nestas duas áreas e estamos confiantes que em 2020 poderemos continuar a “colher” frutos de uma estratégia que está focada em, de forma continua e sustentada, potenciar os nossos serviços, tendo as competências, a capacidade de antecipação e a relação com os stakeholders como fatores indubitáveis da nossa marca.

3 desejos para 2020 é uma série de artigos a antecipar o que vai acontecer no próximo ano, nos mais variados domínios. Desafiámos políticos, empresários, gestores, advogados, reguladores, sindicatos e patrões a revelarem três desejos para o próximo ano: 1) Um desejo para o país, 2) Um desejo para o seu setor e, finalmente, 3) Um desejo para a empresa/entidade que gerem. Todos os dias, até ao final do ano, não faltarão desejos aqui no ECO.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

3 desejos de Carmo Sousa Machado: “Unir os advogados e criar pontes com todo o setor da Justiça”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião