3 desejos para 2020 de João Bento: “2020 vai ser um ano de viragem para os CTT”

  • ECO
  • 25 Dezembro 2019

João Bento, presidente executivo dos CTT, revela na primeira pessoa os seus desejos para 2020, do país ao setor, passando pelo futuro da própria empresa.

O ano de 2020 vai ser “de viragem” para os CTT. É o ano em que se assinalam cinco séculos de correios em Portugal, mas, sobretudo, é o ano em termina o atual contrato de concessão do serviço postal universal.

O tema não passa despercebido ao presidente executivo da empresa, João Bento, que diz esperar “que se inicie uma nova fase de crescimento dos proveitos” para a companhia. Conheça três desejos do gestor dos CTT para o país, para o setor e para a própria empresa, contados na primeira pessoa.

Um desejo para o país

Para 2020, desejamos que o país, coletivamente, reforce o seu compromisso concreto, com ações efetivas, para com o combate às alterações climáticas. Consideramos que este tema tem uma relevância crescente, para a sociedade e para as empresas, tendo em conta o objetivo assumido por Portugal para atingir a neutralidade carbónica em 2050. Nos CTT, estamos a trabalhar neste sentido e acreditamos que o caminho para a neutralidade carbónica pode ser alcançado através da aposta em tecnologias de baixo carbono, nomeadamente pelo fomento da mobilidade elétricos, tal como já acontece em grande escala nos CTT.

Um desejo para o seu setor

A digitalização é o grande desafio para o setor postal a nível global. Os CTT, tal como a generalidade dos operadores postais, atuam num setor em profunda transformação e têm vindo a adaptar o seu modelo de negócio para compensar a queda estrutural no negócio de correio, fruto da digitalização, que é transversal a todas as áreas da economia e da sociedade.

Temos a expectativa de que 2020 possa continuar a consagrar a importância decisiva que os operadores postais que forem capazes de se transformar poderão desempenhar no desenvolvimento do comércio eletrónico e na confirmação das tendências de digitalização e remotização da forma como se compram serviços e, sobretudo, produtos.

Um desejo para a sua empresa

2020 é um ano muito relevante para os CTT. Celebram-se os 500 anos de correio em Portugal e é o ano em que termina o contrato de concessão do serviço público universal e em que deverão ser negociados e estabelecidos os termos do novo contrato. É também um ano em que, para além do reforço da rede de retalho através da reabertura de lojas encerradas em sede de concelho, reafirmamos com atos concretos a nossa condição de parceiro de proximidade e de prestador de um serviço de qualidade.

O desejo é, pois, o de que 2020 possa constituir-se como um ano de viragem para a empresa com a expectativa de que se inicie uma nova fase de crescimento dos proveitos, através do alargamento da abrangência da oferta de soluções empresariais cada vez mais inovadoras em torno das áreas nucleares de correio e de logística a par do crescimento do negócio de expresso e encomendas e do Banco CTT, as duas principais alavancas de crescimento da empresa. Por outro lado, aspiramos a que o crescimento do comércio eletrónico, para o qual os CTT tanto têm contribuído — nomeadamente através do lançamento do marketplace de e-commerce dott.pt, mas também com o lançamento de produtos e serviços desenvolvidos internamente ou em parceria com startups do nosso ecossistema — possa permitir assinalar um crescimento muito significativo do negócio realizado através dos nossos canais digitais.

3 desejos para 2020 é uma série de artigos a antecipar o que vai acontecer no próximo ano, nos mais variados domínios. Desafiámos políticos, empresários, gestores, advogados, reguladores, sindicatos e patrões a revelarem três desejos para o próximo ano: 1) Um desejo para o país, 2) Um desejo para o seu setor e, finalmente, 3) Um desejo para a empresa/entidade que gerem. Todos os dias, até ao final do ano, não faltarão desejos aqui no ECO.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

3 desejos para 2020 de João Bento: “2020 vai ser um ano de viragem para os CTT”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião