“Meo será líder em todos os segmentos”

  • ECO
  • 22 Dezembro 2019

Alexandre Fonseca, presidente executivo da Altice Portugal, revela na primeira pessoa os seus desejos para 2020, do país ao setor, passando pelo futuro da própria empresa.

O presidente executivo da Altice Portugal já delineou as metas para o próximo ano: lançar o 5G em Portugal, superar a concorrência e integrar novos produtos e serviços no portefólio da empresa, assume Alexandre Fonseca, em resposta a um desafio colocado pelo ECO.

Com o ano de 2019 na reta final, conheça os desejos do gestor para o país, para o setor das telecomunicações e para a sua própria empresa, contados na primeira pessoa pelo homem que lidera a dona da operadora Meo em Portugal.

Um desejo para o país

Mais do que um desejo, tenho uma ambição muito clara para o país que passa pelo progresso de Portugal através do acesso de todos os portugueses a tecnologia de última geração, o 5G, e pelo investimento em literacia digital. Não basta possibilitar o acesso a melhores redes e a tecnologia de ponta, é preciso garantir formação para que todos os portugueses, crianças, jovens, adultos em idade ativa e seniores consigam tirar partido dessa mesma tecnologia, para que ninguém fique de fora.

O futuro é indubitavelmente digital e, por isso mesmo, a literacia dos portugueses no que diz respeito às novas tecnologias deve fazer parte das prioridades de qualquer Governo, das instituições e da sociedade civil. Por isso mesmo, a Altice Portugal, além de cobrir o país com fibra ótica garantindo acesso, tem já projetos concretos que contribuem de forma clara e inequívoca para essa mesma literacia digital. Posso dar como exemplo o projeto de desmaterialização do processo letivo, através de tablets com conteúdos escolares entregues às escolas, ou o tour da Fundação Altice que percorre o país com demonstração de soluções tecnológicas para todas as idades.

Não podemos permitir que se repita na digitalização, o analfabetismo que Portugal viveu no passado com consequências ainda no presente. Podemos e devemos ambicionar mais, podemos e devemos estar mais bem preparados, podemos e devemos ser progresso.

Um desejo para o seu setor

Espero que 2020 traga ao setor das telecomunicações previsibilidade, sobretudo regulatória. O setor das telecomunicações é essencial para o crescimento, desenvolvimento e progresso do país e as redes e as comunicações são hoje equiparadas, pelos cidadãos, a bens de primeira necessidade. No entanto, este setor tem vindo a estar debaixo de fogo por parte do próprio regulador (Anacom) que não só nada tem feito para defender o setor como ainda tem vindo a impor decisões unilaterais que estrangulam os operadores.

Por outro lado, o mesmo regulador falha em temas da maior importância para Portugal, como na estratégia e no calendário para o 5G, tema que vai dominar o ano de 2020, já em implementação em muitos países europeus e ainda sem um rumo concreto no nosso país. Enquanto presidente executivo da Altice Portugal tenho vindo a alertar para o atraso irrecuperável que já levamos na implementação do 5G e que compromete a competitividade de Portugal, sobretudo face aos seus congéneres europeus.

Um desejo para a sua empresa

2020 vai ser o ano da liderança total na Altice Portugal. O Meo será líder em todos os segmentos, destronando o incumbente de TV e consolidando a sua posição como primeira escolha e marca de confiança dos portugueses.

Por outro lado, vamos manter a nossa estratégia de proximidade ao território e ao país, de intervenção social, promovendo a igualdade de acesso e de oportunidades, assim como proximidade interna aos nossos colaboradores e equipas, na construção da Família Altice.

Assim, o meu desejo para 2020 é continuar a percorrer este caminho externo e interno, que se tem revelado de sucesso, continuar a merecer a confiança dos nossos colaboradores e dos portugueses, a desenvolver novos produtos e serviços, inovando em todos os campos de atividade e conquistando cada vez mais pessoas.

3 desejos para 2020 é uma série de artigos a antecipar o que vai acontecer no próximo ano, nos mais variados domínios. Desafiámos políticos, empresários, gestores, advogados, reguladores, sindicatos e patrões a revelarem três desejos para o próximo ano: 1) Um desejo para o país, 2) Um desejo para o seu setor e, finalmente, 3) Um desejo para a empresa/entidade que gerem. Todos os dias, até ao final do ano, não faltarão desejos aqui no ECO.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Meo será líder em todos os segmentos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião