CEO da Altice quer correr o país. Mas regressa às origens para descansar nas férias

No "Eles vão de férias para...", Alexandre Fonseca diz que quer correr o país "de norte a sul" no verão da pandemia. Mas é na terra dos avós e pais que planeia descansar e passar momentos em família.

É presença pública constante. Não raras vezes, Alexandre Fonseca, presidente executivo da Altice Portugal, é visto a correr o país de norte a sul, apresentando projetos, parcerias e investimentos do grupo em tecnologia e infraestrutura de telecomunicações. Naturalmente, as férias vão servir para descansar. Mas nem isso, nem a pandemia, travam o estilo frenético do gestor.

“O meu verão é quase sempre dedicado a Portugal, de norte a sul do país”, diz ao ECO, ao abrigo da rubrica “Eles vão de férias para…” Pelo meio, conta participar numa “iniciativa simbólica” do Meo Sudoeste, o conhecido festival na Zambujeira do Mar que foi adiado pela pandemia. “Passarei ainda por muitos outros locais do interior e litoral de Portugal”, diz. Porém, é na terra dos avós e dos pais que planeia partilhar momentos em conjunto com a família.

Onde é que vai passar as férias este verão?

O meu verão é quase sempre dedicado a Portugal, de norte a sul do país. Estarei entre Odemira e Caminha, passando por Castro D’Aire, Trancoso e Vieira do Minho. Não deixarei ainda de usufruir dos encantos naturais que a Costa Alentejana e Algarvia tem para oferecer, bem como de uma passagem por algumas das praias fluviais do nosso país.

Participarei, igualmente, numa iniciativa simbólica do Meo Sudoeste, a ser realizada na Zambujeira do Mar. Com toda a certeza, passarei ainda por muitos outros locais do interior e litoral de Portugal.

A pandemia obrigou a alguma mudança de planos?

Mais do que uma mudança de planos, a pandemia oferece-nos novas oportunidades. O atual contexto em que vivemos permite-nos descobrir o melhor que Portugal tem para nos oferecer, todos os cantos e encantos do nosso país. Um país com uma dimensão multicultural inigualável, que nos oferece um conjunto de oportunidades únicas, como o mar, as praias, as serras, as florestas e as aldeias, passando pela gastronomia tão rica e variada, até à sua cultura única e distinta.

Que cuidados vai ter por causa da Covid-19?

Tanto eu como a minha família seguimos à risca as recomendações da Direção-Geral da Saúde. Portanto, numa época que se pretende ser de descontração e de família e amigos, passeios, atividades ao ar livre, existem pequenas rotinas que teríamos anteriormente e que este ano não poderão acontecer. Mas tal facto não significa que não se possa desfrutar da melhor forma das férias, existe sim é a necessidade de se adotar todos os cuidados necessários, de se estar bem informado, de forma a garantir a nossa segurança e a da nossa família. Como, por exemplo, reunir toda a família e amigos à volta de uma mesa, ou ainda ir à praia sem ter em atenção a lotação da mesma.

No entanto, acredito que todos nós nos habituámos ao contexto em que estamos inserimos, e que daremos o nosso melhor para ajudar na contenção desta pandemia.

O que tem a terra dos seus avós e pais de tão especial?

As memórias que guardo da minha infância. A terra dos meus avós e dos meus pais, numa localidade no interior rural do nosso país, proporcionaram-me momentos muito felizes, que trago comigo na memória. Hoje tenho a oportunidade de partilhar com o meu filho e com a minha família, um cenário muito pitoresco e calmo, sempre em contacto com a natureza.

O que recomenda que não se deve mesmo perder nesse destino?

Por ser tão especial para mim, não partilho a localização deste destino… A terra dos meus avós e pais vai continuar em segredo…

E que livro ou álbum de música vai levar consigo?

Livros:

  • Ciência e política: Duas vocações (Max Weber)
  • Economia e sociedade (Max Weber)
  • Vencer (Jack Welch)
  • Livro do Desassossego (Fernando Pessoa)

Músicas

  • Amor Electro – Revolução (Música: Rosa Sangue)
  • Cat Stevens – Tea for the Tillerman (Música: Father and Son)
  • Cindy Lauper – True Colors (Música: True Colors)
  • Scorpions – Still loving you (Música: Still loving you)

“Eles vão de férias para…” é uma rubrica de verão em que o ECO lançou o desafio a governantes, gestores e empresários para partilharem com os nossos leitores onde vão, ou foram, neste período de descanso. É publicada diariamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CEO da Altice quer correr o país. Mas regressa às origens para descansar nas férias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião