Alexandre Fonseca: “Não me parece possível que 5G seja uma realidade em Portugal em 2020”

A Altice Portugal não considera "possível" que os portugueses tenham acesso a 5G até fim do ano, face à suspensão do leilão em resultado da pandemia. Vírus terá impacto nas receitas em loja.

Com a suspensão do leilão do 5G em Portugal, em resultado da pandemia do coronavírus, o presidente executivo da Altice Portugal já não considera possível que os portugueses tenham acesso a comunicações de quinta geração este ano. “Não me parece possível que o 5G seja uma realidade em Portugal em 2020”, disse Alexandre Fonseca, numa conferência telefónica com jornalistas.

Depois de sondar as operadoras, a Anacom tomou a decisão de pôr o dossiê do 5G em pausa por tempo indeterminado por causa da incerteza social e económica gerada pelo coronavírus, uma decisão com a qual a Altice Portugal concordou. Ora, para o líder da dona da Meo, mesmo que o processo seja retomado na segunda metade do ano, já não deverá ser possível lançar o 5G em Portugal até fim de 2020.

“Acredito que estaremos perante uma crise que terá a sua fase mais aguda durante este segundo trimestre de 2020, pelo que na segunda metade do ano poderemos começar a sentir alguma normalidade. [Mas mesmo] se for retomado na segunda metade do ano, não me parece que seja viável que haja serviços 5G em Portugal em 2020″, disse o presidente executivo da Altice Portugal.

Desta forma, a Altice Portugal tem menos esperança de que o país consiga cumprir a intenção da Comissão Europeia de ter uma cidade com 5G em cada Estado-membro da União Europeia até ao final de 2020. Muito menos a do Governo português, que era a de ter duas cidades portuguesas com cobertura de quinta geração até fim do ano.

Quanto à decisão concreta de suspensão do leilão, Alexandre Fonseca admitiu que foi uma medida favorável à empresa dadas as circunstâncias, devido à incerteza gerada pelo vírus: “Obviamente que, quando estamos perante cenários de incerteza como o que estamos a atravessar, estes momentos não são os melhores momentos para investimentos significativos. A decisão que foi tomada por indicação do Governo e transmitida pelo regulador faz todo o sentido”, rematou.

Altice afasta moratória nas faturas, mas admite analisar clientes caso a caso

A Altice Portugal recusa tomar “medidas alargadas” de alívio da fatura dos clientes da Meo, mas não descarta analisar “caso a caso” as situações de clientes particulares ou empresariais com dificuldades em pagar os seus serviços e que, por isso, estejam na iminência de ficarem sem comunicações eletrónicas.

“Temos tido extraordinária sensibilidade para analisar caso a caso todas as situações”, garantiu Alexandre Fonseca, destacando, no entanto, que a empresa tem dado outros contributos ao nível operacional, com investimentos de “alguns milhões de euros” em melhorias do serviço por causa da pandemia. Mas “medidas mais alargadas” não serão tomadas pela operadora, pelo menos por iniciativa própria.

“Medidas alargadas são medidas estruturais. Terão de ser tomadas no seio da indústria e no seio do setor, para não serem ad hoc [individuais] e para serem medidas estruturais”, explicou o gestor português.

Face ao impacto da pandemia do coronavírus, as três principais operadoras portuguesas, incluindo a Meo, ofereceram aos clientes 10 GB em dados móveis, que podem ser solicitados até ao fim deste mês e ficam válidos durante 30 dias contínuos. Além disso, em conjunto com os canais desportivos, abriram o acesso a conteúdos da Sport TV, Benfica TV e Eleven Sports.

Porém, os dados móveis surgem numa altura em que os portugueses estão em casa ligados às redes fixas por Wi-Fi e os conteúdos surgem numa altura em que o futebol profissional está suspenso pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e pela Liga Portugal, como forma de prevenção do contágio pelo vírus.

Pandemia terá impacto nas receitas em loja

O ano de 2019 foi considerado “histórico” pelo comité executivo da Altice Portugal: o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (EBITDA) estabilizou, recuando apenas 1% em termos homólogos para 832 milhões de euros, enquanto as receitas totais da dona da Meo subiram 1,7%, para 2.110 milhões de euros. Mas, olhando em frente, as contas da Altice Portugal não estão imunes à disrupção económica causada pela pandemia.

Ao telefone com jornalistas, Alexandre Matos, administrador com o pelouro financeiro da Altice Portugal, reconheceu que esse impacto irá verificar-se nas contas da empresa, sobretudo nas receitas em loja: “Temos metade das lojas fechadas, obviamente que terá impacto nessas receitas”, disse.

Ainda assim, o gestor contrapôs com o crescimento da base de clientes de 180 mil adições líquidas nos últimos dois anos, o que deverá contrabalançar esse impacto nesta fase: “Um cliente que se conquista hoje é uma receita no futuro. Dá-nos força e resiliência para termos receitas recorrentes e fortes”, explicou.

Cotação das ações da Altice na bolsa de Amesterdão

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Alexandre Fonseca: “Não me parece possível que 5G seja uma realidade em Portugal em 2020”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião