Estas são as 15 medidas de Medina para Lisboa superar a pandemia

A Câmara de Lisboa criou um pacote de medidas para colmatar o impacto do coronavírus nas famílias e nas empresas da capital. Saiba quais são.

O presidente da Câmara de Lisboa (CML) anunciou esta quarta-feira um plano para fazer face à crise provocada pelo novo coronavírus. São, ao todo, 15 medidas económicas que têm como objetivo “criar melhores condições para o relançamento da atividade económica” da capital, numa altura em que muitas lojas estão de portas fechadas. Isenção de rendas habitacionais e comerciais e reforço do fundo de emergência são algumas destas medidas.

Fernando Medina esteve cerca de cinco horas reunido com os vereadores municipais esta terça-feira, numa “longa reunião, com um intenso debate e múltiplos contributos” para discutir o impacto da pandemia na economia da capital. Deste encontro saiu um conjunto de medidas, a ser implementadas já a partir desta quarta-feira, e o autarca anunciou-as esta quarta-feira, em videoconferência.

  • Suspensão do pagamento das rendas em todos os fogos municipais até 30 de junho, disse Medina, explicando que o valor que não for cobrado poderá ser “liquidado durante 18 meses”, a contar desde o final de junho, “sem qualquer juro nem penalização”. Além disso, os inquilinos poderão solicitar, “a qualquer momento, a reavaliação do valor da renda”. A medida vai abranger 24 mil famílias e 70 mil pessoas;
  • Reforço do Fundo de Emergência Social em 25 milhões de euros [até aqui dotado com apenas um milhão de euros, disse Medina], dirigido às famílias, às instituições sociais e à aquisição de todos os bens, serviços e equipamentos que se tornem necessários nesta situação de emergência;
  • Isenção integral do pagamento de rendas todos os estabelecimentos comerciais em espaços municipais que se encontrem encerrados e ainda dos quiosques e lojas instaladas em bairros municipais que permaneçam abertas e ainda os estabelecimentos comerciais que operam na área do Porto de Lisboa. Assim como no campo habitacional, esta isenção estará em vigor até 30 de junho;
  • Isenção integral do pagamento de rendas todas as instituições de âmbito social, cultural, desportivo ou recreativo instaladas em espaços municipais até 30 de junho;
  • Suspensão da cobrança de todas as taxas relativas a ocupação de espaço público e publicidade a todos os estabelecimentos comerciais, com exceção de bancos, instituições de crédito e seguradoras. Esta medida abrange ainda as taxas cobradas pelas Juntas de Freguesia e o período de suspensão destas taxas tem início retroativo a 1 de março e termina a 30 de junho, explicou Medina, referindo ainda que os estabelecimentos cuja licença anual caduque durante este período só terão de solicitar essa renovação e efetuar o respetivo pagamento a partir de 30 de junho.
  • Aquisição regular de frescos aos produtores que comercializavam nas feiras agora encerradas e entrega desses produtos às associações com trabalho social em Lisboa;
  • Suspensão da entrada em vigor da disposição relativa à proibição do uso de plástico não reutilizável até 30 de junho, de forma a não dificultar o fornecimento em regime de take-away;
  • Garantia da concretização do plano de investimentos para 2020 e anos seguintes da CML e empresas municipais, estimado em 620 milhões de euros, como forma de reforço do serviço público, apoio ao emprego e de preservação da capacidade produtiva. Este investimento será distribuído da seguinte forma: escolas, creches e centros de saúde (140 milhões), habitação (160 milhões), infraestruturas verdes (35 milhões), espaços públicos (50 milhões), infraestruturas e saneamento (170 milhões), mobilidade (35 milhões) e turismo (30 milhões);
  • Pleno funcionamento do licenciamento urbanístico, assegurando o recurso ao teletrabalho por mais de 400 trabalhadores destas áreas, uma medida que visa apoiar toda a fileira de arquitetos, projetistas, promotores e construtores;
  • Antecipação do pagamento a projetistas, nomeadamente gabinetes de arquitetura, engenharia e serviços técnicos. Esta antecipação traduz-se no pagamento imediato contra entrega do projeto em até 50%, sendo o restante pagamento após aprovação como acontece até aqui;
  • Criação de uma equipa de apoio às micro e pequenas e médias empresas — Lisboa Empreende –, de forma a assegurar a informação sobre todos os apoios existentes, bem como consultoria para mitigar os efeitos da crise e promover a recuperação económica;
  • Criação de um marketplace que junta as necessidades de empresas, instituições e municípios às competências e ofertas do ecossistema empreendedor de Lisboa, permitindo às startups continuarem a funcionar através do desenvolvimento de soluções tecnológicas para os desafios atuais;
  • Assegurar aos agentes culturais o pagamento integral dos contratos já celebrados, nomeadamente pela EGEAC, através da recalendarização das programações, da sua adaptação para transmissão online, ou do reforço do apoio à estrutura da entidade;
  • Acelerar o pagamento às entidades culturais da cidade já beneficiárias de apoio, tendo em vista apoiar a manutenção das respetivas estruturas de funcionamento;
  • Alargamento do sistema de apoio a agentes e entidades do setor cultural que atualmente não estejam abrangidos por apoios municipais, através do Fundo de Emergência Municipal. Ao mesmo tempo, será reforçado o fundo de apoio a aquisições na área das artes plásticas e alargar seu âmbito ao setor do livro e da arte pública.

Para Fernando Medina, é necessária “dar um sinal claro e forte de apoio as famílias, empresas, emprego e investimento”. “Vivemos uma crise dura, mas vamos vencê-la e ultrapassá-la em conjunto”, disse, sublinhando a importância de “apoiar a economia e as famílias, mas de olhos postos no futuro”.

(Notícia atualizada às 11h18 com mais informação)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Estas são as 15 medidas de Medina para Lisboa superar a pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião