Números do coronavírus “têm adesão à realidade”. “Não há aqui nenhum equívoco”, diz Marcelo

O Presidente da República quis tranquilizar os portugueses e assegurou que os números que têm sido divulgados do coronavírus correspondem à realidade.

Muitas dúvidas se têm levantado relativamente aos números que as autoridades de saúde nacionais têm divulgado sobre os casos de coronavírus. Há quem acredite que a realidade é bastante mais preocupante. Contudo, o Presidente da República quis tranquilizar os portugueses e assegurou que os números que têm sido adiantados refletem a realidade.

“Preocupados estamos todos”, disse Marcelo Rebelo de Sousa numa conferência de imprensa, depois de ter estado cerca de três horas numa sessão com apresentações técnicas sobre o coronavírus, juntamente com órgãos do Governo e líderes partidários com representação parlamentar. “Os números têm adesão à realidade. Não há aqui nenhum equívoco de números”, afirmou, em declarações transmitidas pela RTP3.

Explicando que a opção das autoridades de saúde nacionais foi “testar [apenas] aqueles que apresentavam sintomas”, o Presidente sublinhou que “o número de casos positivos é, efetivamente, o número de testados positivos”, assim como os restantes números, desde internados, a internados nos cuidados intensivos e óbitos.

“Saio [desta sessão] menos preocupado porque estamos mais unidos”, disse, adiantando que “vai haver mais informação por parte dos especialistas”. “Estou menos preocupado porque vamos ter mais dados que nos permitem ir ajustando o tal momento em que entramos em estabilidade e descida”, notou.

Marcelo Rebelo de Sousa revelou que, a partir de agora, estas sessões técnicas acontecerão com uma “periodicidade razoável”. “Provavelmente teremos dentro de duas semanas, no final do mês, uma nova reunião para uma nova avaliação. A 2 de abril cessa a vigência do estado de emergência e coloca-se a questão da sua renovação. Depois haverá outras decisões que justificam esta periodicidade”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Números do coronavírus “têm adesão à realidade”. “Não há aqui nenhum equívoco”, diz Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião