Estreia de Pedro Leitão no Montepio adiada para quinta

A reunião do conselho de administração que ia aprovar nome de Pedro Leitão para CEO do banco não se realizará esta terça-feira por motivo de falecimento de um familiar de um dos administradores.

Pedro Leitão terá de esperar até quinta-feira para se estrear como presidente executivo do Banco Montepio. Isto porque a reunião do conselho de administração que ia confirmar o seu nome já não se realizará esta terça-feira.

O banco adiantou que a reunião do board foi cancelada por motivo de falecimento de um familiar de um dos administradores da instituição. O encontro foi reagendado para esta quinta-feira. A reunião tinha sido anunciada há cerca de uma semana por Carlos Tavares, chairman do banco, que numa mensagem aos trabalhadores disse que Pedro Leitão é o homem certo para trazer confiança a um “novo ciclo” no Montepio.

Ex-Banco Atlântico Europa, onde estava desde 2015, Pedro Leitão já tem luz verde para exercer funções de CEO do Banco Montepio, um cargo que tem estado vago nos últimos dois anos. Era responsável pela transformação digital do banco, onde assumia também os “pelouros” do marketing, da tecnologia e ainda os negócios de private banking. É esta visão mais tecnológica de um setor em rápida mudança que Pedro Leitão poderá trazer agora a um banco tradicional e que conta com uma grande expressão no mercado de retalho.

Antes, Pedro Leitão foi administrador do Banco Millennium Atlântico (antigo Banco Privado Atlântico), em Angola, entre 2011 e 2015, onde foi Chief Operations & Marketing Officer, responsável pela implementação, entre outros da rede de retalho. Foi ainda partner da Deloitte, durante quase uma década, entre 2001 e 2011, contando ainda passagens anteriores pelo BBVA e BPI.

Pedro Leitão tem um MBA do ISEG e frequentou diversos cursos e programas de gestão executiva e de transformação digital em várias universidades de renome: London Business School, INSEAD, Stanford ou IMD Business School. Foi professor em várias universidades portuguesas.

Para lá da dimensão profissional e académica, Pedro Leitão gosta de cozinhar e é praticante regular de yoga, ginástica e jogging. Tornou-se agricultor em 2016.

(Notícia atualizada às 16h54 com indicação da nova reunião)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estreia de Pedro Leitão no Montepio adiada para quinta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião