Desemprego subiu para 6,7% em novembro. Taxa deixou de melhorar face ao ano anterior

O INE divulgou esta quarta-feira a taxa provisória de desemprego para novembro. Mercado de trabalho perdeu gás. Governo acredita que a taxa de desemprego tenha fechado 2019 em 6,4%.

A taxa de desemprego terá subido para 6,7% em novembro do ano passado, de acordo com os dados provisórios revelados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Trata-se de uma subida de duas décimas face ao mês anterior, o que coloca a taxa num patamar igual ao registado há um ano.

Esta evolução, que ainda terá de ser confirmada pelo INE quando fechar a taxa de desemprego referente a novembro, aponta para o que pode ser uma inversão de tendência no mercado de trabalho. Isto porque, desde agosto de 2013 que a taxa de desemprego melhorava face ao mês homólogo. Ou seja, mesmo quando existiam agravamentos face ao mês anterior, a comparação com o que se passava um ano antes indicava sempre melhorias no mercado de trabalho.

Evolução da taxa de desemprego

Foi isto que deixou de acontecer. Depois de ter estabilizado em outubro em 6,5%, a taxa de desemprego em novembro saltou duas décimas para 6,7%. Em novembro de 2018, tinha sido este o valor da taxa de desemprego.

População desempregada aumentou face a novembro de 2018. Mas emprego ainda subiu

Um olhar mais detalhado sobre o que se passou em novembro permite ver que foi do lado do desemprego que a situação se agravou com a criação de postos de trabalho a evitar uma evolução pior.

“Em novembro de 2019, a população desempregada – cuja estimativa provisória foi de 347,4 mil pessoas – teve um acréscimo de 2,7% (9,0 mil) em relação ao mês anterior (outubro de 2019), de 4,7% (15,6 mil) relativamente a três meses antes (agosto de 2019) e de 0,8% (2,6 mil) por comparação com o mês homólogo de 2018″, adianta o instituto estatístico.

Ao nível do emprego ainda existem progressos em relação ao que aconteceu um ano antes. “Em novembro de 2019, a estimativa provisória da população empregada, que correspondeu a 4.850,7 mil pessoas, verificou um decréscimo de 0,3% (16,0 mil) em relação ao mês anterior e de 0,2% (9,0 mil) relativamente a três meses antes (agosto de 2019), tendo aumentado 0,6% (26,9 mil) em comparação com o mesmo mês de 2018“.

No Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), o Governo incluiu uma previsão de taxa de desemprego de 6,4% em 2019, antecipando uma redução para 6,1% este ano.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego subiu para 6,7% em novembro. Taxa deixou de melhorar face ao ano anterior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião