PCP abstém-se no OE2020. Votação final depende de avanços nas negociações

O OE2020 é votado na generalidade na próxima sexta-feira. Documento tem sido negociado à esquerda, de onde o Governo espera a aprovação.

O PCP anunciou esta quarta-feira que decidiu abster-se durante a votação na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) marcada para esta sexta-feira. Esta decisão não garante, por si só, a aprovação do OE.

“O voto de abstenção que o PCP adotará na votação na generalidade no OE é assumido como forma de não fechar as possibilidades de avançar“, disse João Oliveira, o líder parlamentar comunista.

O PCP quer agora continuar, durante a fase da especialidade, a negociar com o Governo por forma a alcançar os seus objetivos.

Numa conferência de imprensa no Parlamento, o líder parlamentar falou de “abertura” do Governo para ir ao encontro de metas do PCP mas quer garantias durante a fase de especialidade e deixou uma lista de 14 pontos pelos quais se vai bater em comissão.

"O voto de abstenção que o PCP adotará na votação na generalidade no OE é assumido como forma de não fechar as possibilidades de avançar.”

João Oliveira

Líder parlamentar do PCP

Os comunistas consideram que há “margem orçamental” para ir mais além e entende que houve já alguma abertura do Governo sobre as pensões e as creches. No entanto, é preciso avançar mais, “não havendo nenhuma questão que isoladamente determine” a votação final global do documento, que está marcada para 6 de fevereiro.

Da lista de matérias que o PCP quer trabalhar na especialidade estão:

  1. A contratação de trabalhadores da Administração Pública para garantir o bom funcionamento dos serviços públicos;
  2. As creches gratuitas, abrindo caminho à sua concretização ao longo da legislatura, bem como a criação de uma rede de creches,
  3. Aumento da progressividade do IRS, reduzindo a tributação sobre os rendimentos do trabalho e os rendimentos mais baixos e intermédios e avançando no englobamento obrigatório;
  4. Pela “tributação do grande capital com a obrigatoriedade de pagamento em Portugal dos impostos sobre os lucros gerados no país”;
  5. Pela redução dos custos da energia;
  6. Pelo aumento substancial do investimento público, em particular do Serviço Nacional de Saúde (SNS);
  7. Medidas que promovam a eficiência energética;
  8. Melhoria das prestações sociais como o subsídio de desemprego ou a universalização do abono de família;
  9. Apoio aos setores produtivos da agricultura, floresta, pescas e indústria;
  10. A eliminação das portagens;
  11. A consolidação da redução tarifária e o alargamento da oferta de transportes públicos;
  12. Compra de barcos e comboios;
  13. Fim das parcerias público-privadas;
  14. Aumento do apoio às artes e a concretização do objetivo de 1% para a cultura.

O OE2020 foi entregue no Parlamento a 16 de dezembro mas sem reunir garantias de aprovação. O Bloco de Esquerda admitiu no sábado abster-se caso as negociações com o Governo sejam bem-sucedidas. Mas o anúncio do voto ainda aguarda eventuais avanços.

(Notícia atualizada)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

PCP abstém-se no OE2020. Votação final depende de avanços nas negociações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião