Centeno antecipa redução da dívida pública em 2019

O ministro das Finanças abriu a porta a uma boa notícia: a dívida pública terá caído em termos nominais no ano passado. Se se confirmar, será a primeira descida do endividamento do Governo desde 1995.

Mário Centeno antecipou esta sexta-feira aquilo que classificou de “boa notícia adicional” para Portugal: a dívida pública terá reduzido em 2019 em termos nominais e não apenas em % do Produto Interno Bruto (PIB). A concretizar-se, será a primeira descida em mais de duas décadas.

“A redução da dívida pública é uma boa notícia. Estamos quase, provavelmente, a ter uma boa notícia adicional que é a possibilidade de a dívida pública nominal já se ter reduzido em 2019”, declarou o ministro das Finanças no Parlamento, na discussão e votação na generalidade do Orçamento do Estado para 2020.

“Vamos esperar pelos resultados das estatísticas para concluir exatamente isso”, acrescentou ainda em resposta ao deputado socialista Filipe Neto Brandão.

Segundo os últimos dados do Banco de Portugal, a dívida das Administrações Públicas atingiu os 251,1 mil milhões de euros em novembro de 2019. É um montante que está acima dos 249,1 mil milhões de euros no final de 2018. O Banco de Portugal volta a atualizar as estatísticas do endividamento do Estado em relação ao fecho do ano no próximo dia 3 de fevereiro. Nesse momento saber-se-á se a dívida pública sempre desceu em termos nominais em 2019.

Se dezembro trouxer as “boas notícias” que Centeno adivinha, Portugal registará a primeira descida anual do endividamento do Governo desde, pelo menos, 1995. No final desse ano, a dívida pública atingiu os 55,3 mil milhões de euros. Desde então, aumentou quase 200 mil milhões.

Evolução da dívida pública em termos nominais

Fonte: Banco de Portugal; Dados de 2019 referentes a novembro

Mário Centeno referiu-se aos valores da dívida pública em termos brutos. Se analisarmos a dívida pública em função do PIB, um indicador mais relevante porque mede a capacidade do país de pagar a dívida, verifica-se que o rácio já tem vindo a cair nos últimos dois anos à boleia do crescimento económico.

O rácio da dívida pública registou o pico em 2016, quando atingiu os 131,5% da riqueza produzida. Entretanto baixou nos dois anos seguintes, fechando o ano de 2018 nos 122,2% do PIB.

A proposta de Orçamento do Estado para 2020 que está a ser discutida esta sexta-feira no Parlamento prevê que o nível de endividamento tenha baixado para 118,9% do PIB em 2019, apontando para nova queda no final deste novo ano: 116,2% do PIB.

Rácio da dívida em % do PIB cairá pelo terceiro ano

Fonte: Banco de Portugal; Dados de 2019 relativos à previsão do OE2020

(Notícia atualizada às 12h12)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno antecipa redução da dívida pública em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião