Governo cria “oficinas” para definir estratégia de inovação e modernização no Estado

  • Lusa
  • 10 Janeiro 2020

O Governo vai iniciar na segunda-feira“oficinas de participação” com os trabalhadores do Estado. Vão ser promovidas oficinas com todas as áreas de Governo, até ao final deste mês.

O Governo inicia na segunda-feira “oficinas de participação” com os trabalhadores do Estado para definir a Estratégia de Inovação e Modernização do Estado e da Administração Pública.

A primeira “oficina” arranca na segunda-feira com a presença da ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, e da secretária de Estado da Inovação e da Modernização Administrativa, Maria de Fátima Fonseca.

“O objetivo é construir a Estratégia de Inovação e Modernização do Estado e da Administração Pública para o período 2020-2023, com o contributo fundamental de dirigentes e trabalhadores de toda a administração central”, refere a tutela em comunicado.

Para tal, continua, vão ser promovidas oficinas com todas as áreas de Governo, até ao final deste mês.

Segundo o comunicado, este conjunto de sessões será realizado pela Equipa de Inovação do INA, no âmbito do Sistema de Incentivos à Inovação na Gestão Pública (SIIGeP), e visa recolher contributos dos trabalhadores públicos em torno de quatro eixos transformadores: investir nas pessoas, desenvolver a gestão, explorar a tecnologia e reforçar a participação.

“Serão ainda realizadas iniciativas de participação com representantes da academia, empresas e terceiro setor, o que permitirá recolher dados relevantes para identificar áreas de melhoria em toda a administração pública”, acrescenta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo cria “oficinas” para definir estratégia de inovação e modernização no Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião